Sexualidade e Gênero na atual BNCC: possibilidades e limites

  • Solange Aparecida de Souza Monteiro Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP)
  • Paulo Rennes Marçal Ribeiro Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP) http://orcid.org/0000-0002-1552-5702

Resumo

O debate acerca de questões envolvendo Gênero e Sexualidade vem ganhando força e, sobretudo, atenção em diferentes espaços e círculos sociais. Esses questionamentos conjugam-se com a luta pelos direitos humanos, pela democracia e, também, pela educação consciente. É sobre este último aspecto que o presente artigo visa discutir, afinal sabe-se de grandes feitos conquistados sobre a rubrica dos temas supracitados e, a partir disso, surge o seguinte questionamento: a expansão dos movimentos feministas e das discussões de Gênero e Sexualidade tem fornecido impactos relevantes para a educação? Para responder essa pergunta, optou-se por avaliar o atual documento normativo da Educação Básica, a Base Nacional Comum Curricular – BNCC, conjecturando analisar se há progresso ou declínio no tratamento de questões envolvendo Gênero e Sexualidade.

 

Palavras-chave: BNCC. Gênero. Sexualidade. Educação sexual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Abreu, R. L. P. & Santos, R. A. P. (2015). Gênero e Sexualidade nos PCNs: uma análise dos objetivos gerais. Caderno Espaço Feminino, Uberlândia, (28)1, 24-35.

Barbosa, L. U.; Viçosa, C. S. C. L. & Folmer, V. (2009). A educação sexual nos documentos das políticas de educação e suas ressignificações. Revista Eletrônica Acervo Saúde. 11 (10), 1-10.

Bedin, R. C. (2016). A história do Núcleo de Estudos da Sexualidade e sua participação na trajetória do conhecimento sexual na UNESP. Tese de Doutorado em Educação Escolar. Araraquara: Faculdade de Ciências e Letras da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho.

Brasil (2018). Ministério de Educação. Secretaria de Ensino Fundamental. Base Nacional Comum Curricular. Brasília.

Bueno, R. C. P. & Ribero, P. R. M. (2018) História da Educação Sexual no Brasil: apontamentos para reflexão. In: Revista Brasileira de Sexualidade Humana. SBRASH, (29) 1, 49-56.

Cunhã, C. F. (2001). Grupos de mulheres da Paraíba: retalhos de uma história. João Pessoa: Texto Arte Editora.

Felício, L. A. (2011). Um projeto de Educação Sexual para o Brasil: O Círculo Brasileiro de Educação Sexual (1933 - 1945). In: Anais do XXVI Simpósio Nacional de História –ANPHU. São Paulo.

Figueiró, M. N. D. (2006). Formação de educadores sexuais: adiar não é mais possível. Londrina: EDUEL.

Friedan, B. (2013). The feminine mystique. Londres: W.W. Norton & Company.

Haraway, D. (1995). Ciencia, cyborgs y mujeres. In : Talens, M (Org.). La reinvención de la naturaleza. Madrid: Ediciones Cátedra.

Leão, A. M. C. & Ribeiro, P. N. M. (2012). As políticas educacionais do Brasil: a (in)visibilidade da Sexualidade e das relações de Gênero. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, (7) 2, 28-37.

Louro, G. L. (2007). Gênero, Sexualidade e educação: das afinidades políticas às tensões teórico-metodológicas. Educação em Revista. Belo Horizonte. 46, 201-218.

Louro, G. L. (2011). Gênero, Sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes.

Loyola, M. A. (1998). Apresentação. In: Loyola, M. A. (Org.) A Sexualidade nas ciências humanas. Rio de Janeiro: Ed. UERJ.

Maia, A. C. B. & Ribeiro, P. R. M. (2011). Educação Sexual: princípios para a ação. Doxa – Revista Brasileira de Psicologia e Educação. Araraquara, (15) 1, 75-84.

Meirelles. J. A. B. (1997). Orientação sexual na escola: os territórios possíveis e necessários. In: Aquino J. G. (Org.). Sexualidade na escola: Alternativas teóricas e práticas. São Paulo: Summus, 1997. p.71-86.

Melo, S. M. M. (2001). Reflexões sobre sexualidade e educação. Prospectiva. Porto Alegre, 3: 26, 41-46.

Miranda, C. M. & Santos, A. P. (2017). Lute como uma menina: questões de Gênero nas ocupações das escolas de São Paulo em 2016. Revista Observatório, (3), 417-444.

Moura, F. P. (2016). “Escola Sem Partido”: relações entre Estado, educação e religião e os impactos no ensino de história. 2016. Dissertação de Mestrado Profissional em Ensino de História. Rio de Janeiro: Instituto de História, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Natividade, M. & Oliveira, L. (2013) As novas guerras sexuais: diferença, poder religioso e identidade LGBT no Brasil. Rio de Janeiro, Garamond.

Neira, M. G.; Alviano Junior, W. & Almrida, D. F. (2016). A primeira e segunda versões da BNCC: construção, intenções e condicionantes. EccoS – Revista Científica. São Paulo, 41: 31-44.

Pinto, C. R. J. (2003). Uma história do feminismo no Brasil. São Paulo: F. Perseu Abramo.

Pinto, C. R. J. (2010). Feminismo, História e poder. Revista de Sociologia e Política (UFPR. Impresso), (18), 15-23.

Preciado, P. B. (2008). Testo yonqui. Madrid: Espasa.

Reis, T. & Eggert, E. (2017). Ideologia de Gênero: uma falácia construída sobre os planos de educação brasileiros. In: Educação & Sociedade, (38) 138, 9-26.

Reis, G. V. & Ribeiro, P. R. M. (2004). A institucionalização do conhecimento sexual no Brasil. In: Ribeiro, P. R. M. (Org.) Sexualidade e educação: aproximações necessárias. São Paulo: Arte & Ciência, p. 27-71.

Ribeiro, P. R. C. & Magalhães, J. C. (Orgs.) (2018). Interlocuções sobre Gêneros e Sexualidades na educação. Rio Grande: Editora da FURG.

Ribeiro, P. R. M. (2009). A institucionalização dos saberes acerca da Sexualidade humana e da Educação Sexual no Brasil. In: Figueiró, M. N. D. (Org.) Educação Sexual: múltiplos temas, compromissos comuns. Londrina: Universidade Estadual de Londrina, p. 129-140.

Ribeiro, P. R. M. (2019). Desafios contemporâneos em Educação Sexual: a perda do ambiente mental, social e escolar. In: Desidério, R.; Figueiró, M. N. D.; Ribeiro, P. R. M.; Mendes, P.O. S. P.; Melo, S. M. M.; Maistro, V. I. A. & Bastos, V. C. (Orgs.). Interseccionalidade e transgressões em Educação Sexual. Londrina: Syntagma Editores, p. 29-39.

Ribeiro, P. R. M. (2005). Sexualidade também tem história: Sexualidade e comportamento sexual através dos tempos. In: Maia, A. C. B. & Maia, A. F. (Orgs.) Sexualidade e infância. Cadernos CECEMCA, v. 1. Brasília: Ministério da Educação; Bauru: faculdade de Ciências da UNESP, p. 16-33.

Ribeiro, P. R. M. & Bedin, R. C. (2013). Notas preliminares sobre historiografia da Educação Sexual brasileira. Apontamentos de uma cronologia descritiva: 1) Atitudes e comportamentos sexuais no Brasil nos documentos da Inquisição dos séculos XVI e XVII. DOXA – Revista Brasileira de Psicologia e Educação. Araraquara: Departamento de Psicologia da Educação da UNESP, (17) 1 e 2, 149-168.

Ribeiro, P. R. M. & Bedin, R. C. (2010). Algumas reflexões sobre a formação do pensamento sexual brasileiro a partir da historiografia da Educação Sexual. In: TEIXEIRA, F. et al. Sexualidade e Educação Sexual: políticas educativas, investigação e práticas. Portugal: CIEd. Disponível em: http://www.fpccsida.Org.pt/index .php?option=com_content&view=article&id=13:Sexualidade-e-educacao-sexual&c atid=1:noticias Acesso em 21 fev 2020.

Ribeiro, P. R. M. & Soares, S. M. S. (2019). Avanços e retrocessos da Educação Sexual no Brasil: apontamentos a partir da eleição presidencial de 2018. Revista Ibero Americana de Estudos em Educação. Araraquara, (14) esp 2, 1254-1264.

Ribeiro, P. R. M. (2013). A Educação Sexual na formação de professores: Sexualidade, Gênero e diversidade enquanto elementos de uma cidadania ativa. In: Rabelo, A. O.; Pereira, G. R. & Reis, M. A. S. (Orgs.) Formação docente em Gênero e Sexualidade: entrelaçando teorias, políticas e práticas. Petrópolis: DP & Alii, Rio de Janeiro: FAPERJ.

Ribeiro, P. R. M. (2017a). Entrevista: Educação para a Sexualidade. In: Revista Diversidade e Educação. Rio Grande: FURG, (5) 2, 7-15.

Ribeiro, P. R. M. (2017b). Ideologia de Gênero x estudos de Gênero. Entrevista. Assessoria de Comunicação e Imprensa da UNESP, 27/11/2017. https://www2.unesp.br/portal#!/noticia/30669/ideologia-de-genero-x-estudos-de-genero/ Acesso em 26/04/2019.

Sarti, C. A. (2004). O feminismo brasileiro desde os anos 1970: revisitando uma trajetória. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, (12) 2, 35. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/S0104-026X20040002000 03/7860.

Sartori, E. (2004). Reflexões sobre relações de Gênero, família e trabalho da mulher: desigualdades, avanços e impasses. Cadernos CERU, (5) 1, 171-184.

Scott, J. (1995). Gênero: uma categoria útil de análise histórica. In: Revista Educação e Realidade. Porto Alegre, (20) 2, 71-99.

Seffner, F.; Borrillo, D.; Ribeiro, F. B. (2018). Gênero e Sexualidade: entre a explosão do pluralismo e os embates da normalização. Civitas, Porto Alegre, (18), 5-9.

Seffner, F. (2017). Atravessamentos de Gênero, Sexualidade e Educação: tempos difícieis e novas arenas politicas. In: Campos, M. A. T. & Silva, M. R. (Org.). Educação, movimentos sociais e políticas governamentais. Curitiba: Appris, 213-225.

Semis, L. (2017). "Gênero” e “orientação sexual” têm saído dos documentos sobre Educação no Brasil. Por que isso é ruim? Disponível: https://novaescola.org.br/conteudo/4900/os-termos-genero-e-orientacao-sexual tem-sido-retirados-dos-documentos-oficiais-sobre-educacao-no-brasil-por-que-isso-e-ruim, Acesso em 21/04/2020.

Silva, C. S. F.; Brancaleoni, A. P. L. & Oliveira, R. R. (2019). Base nacional comum curricular e diversidade sexual e de Gênero: (des)caracterizações. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação. (14) esp 2, 1538-1555.

Silva, C. & Camurça, S. (2010). Feminismo e movimento de mulheres. Recife: SOS Corpo – Instituto Feminista para a Democracia.

Soares, Z. P. & Monteiro, S. S. (2019). Formação de professores/as em Gênero e Sexualidade: possibilidades e desafios. Educação em Revista, Curitiba, (35) 73, 287-305. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S01 0440602019000100287&lng=en&nrm=iso Acesso em 21 fev 2020.

Tokarnia, M. (2017). MEC retira termo orientação sexual da versão final da base curricular. Agência Brasil. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/educac ao/noticia/2017-04/mec-retira-termo-orientacao-sexual-da-versao-final-da-base-curricular Acesso em 21 fev 2020.

Vianna, C. (2012). Gênero, Sexualidade e políticas públicas de educação: um diálogo com a produção acadêmica. Pro-Posições, Campinas, (68) 2, 127-143.
Publicado
2020-05-01
Como Citar
Monteiro, S. A. de S., & Ribeiro, P. R. M. (2020). Sexualidade e Gênero na atual BNCC: possibilidades e limites. Pesquisa E Ensino, 1, e202011. https://doi.org/10.37853/pqe.e202011
Seção
Artigos