Proposta Curricular da Educação de Jovens e Adultos de Florianópolis: produção e participação docente

Resumo

O presente texto busca analisar a participação docente na produção da atual Proposta Curricular para o II segmento da EJA de Florianópolis, a qual está fundamentada na Pesquisa como Princípio Educativo (PPE) e se encontra inserida no movimento da Política Curricular da Rede Municipal de Ensino (RME) de Florianópolis. O estudo empírico-teórico se dá por meio da análise do discurso e de conteúdo dos dados obtidos a partir dos documentos curriculares produzida na RME nos anos de 2000 - 2016 e das entrevistas pré-estruturadas realizadas com profissionais da EJA municipal e, utiliza a abordagem do ciclo de políticas de Stephen Ball e Richard Bowe. Esperamos que a pesquisa possa contribuir para a compreensão da participação docente na produção de proposta curricular para a EJA que pretende ser transformadora, na medida em que evidencia a importância de se construir currículos na perspectiva democrática e sob o viés da gestão participativa.

Palavras-chave: Educação de jovens e adultos. Participação. Políticas curriculares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Chauí, Marilena et al. Política Cultural. In: Rubim, A. (2018). Política cultural e gestão democrática no Brasil.

Florianópolis. Proposta Curricular da Rede Municipal de Ensino de Florianópolis. Organizado por Claudia Cristina Zanela, Ana Regina Ferreira de Barcelos e Rosângela Machado – Florianópolis: Prefeitura de Florianópolis. Secretaria de Educação, 2016. Disponível em: <http://www.pmf.sc.gov.br/arquivos/arquivos/pdf/23_06_2017_11.13.21.b097b0d2d26af5819c89e809ff527a2.pdf >(Acesso em 03/09/2019).

Frigotto, Gaudêncio. Educação e a crise do capitalismo real. – 3ªed. – São Paulo, Cortez, 1999.

Gadotti, M. (2014). Gestão Democrática da Educação com Participação Popular no Planejamento e na Organização da Educação Nacional. In. CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO, 2014, Brasília. Acta... Brasília: FNE.

Gentili, P. (1995). Adeus à escola pública: a desordem neoliberal, a violência do mercado e o destino da educação das maiorias. Pedagogia da exclusão Rio de Janeiro.: Vozes, 228-252.

Llavador, F. B. (2013). Política, poder e controle do currículo. In: Gimeno Sacristán, J. Saberes e incertezas sobre o currículo. Porto Alegre: Penso, 38-53.

Lopes, A. C. (2004). Políticas curriculares: continuidade ou mudança de rumos?. Revista Brasileira de Educação, (26), 109-118.

Macedo, E. (2016). Por uma leitura topológica das políticas curriculares. Education Policy Analysis Archives/Archivos Analíticos de Políticas Educativas, 24, 1-23.

Mainardes, J. (2006). Abordagem do ciclo de políticas: uma contribuição para a análise de políticas educacionais. Educação & Sociedade, 27(94), 47-69.

Melara, E., & Leal, R. P. (2012). A pesquisa como princípio científico e educativo: na EJA de Florianópolis. Boletim Gaúcho de Geografia, 39(1-2).

Oliveira, G. D. (2004). Interesse, pesquisa e ensino: uma equação para a educação escolar no Brasil. Florianópolis: Prelo.

Publicado
2021-02-22
Como Citar
Borges Fagundes, L., & da Silva Thiesen, J. (2021). Proposta Curricular da Educação de Jovens e Adultos de Florianópolis: produção e participação docente . Pesquisa E Ensino, 2(2), 202105. https://doi.org/10.37853/202105
Seção
Dossiê: Abordagens Transformadoras na Educação Jovens e Adultos