História Política, Movimento Negro e Feminismo Negro

“#Marielle Semente”, as mulheres negras na política

Autores

  • Ana Lúcia da Silva UEM
  • Angelo Priori Universidade Estadual de Maringá

Palavras-chave:

História Política. Movimento Negro. Feminismo Negro. Mulheres Negras. Marielle Franco.

Resumo

Com base no aporte teórico da Nova História Política, vislumbrando as epistemologias do Sul, ou seja, as lutas políticas e sociais de grupos e/ou movimentos sociais, como o Movimento Negro e o Feminismo Negro no Brasil, neste paper objetiva-se dar visibilidade às mulheres negras na política brasileira, por meio da trajetória de vida e legado de Marielle Franco, analisando as sementes que floresceram nas Eleições municipais 2020. Segundo o Atlas da Violência (2019), organizado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), no contexto mundial, o Brasil é um dos quatro países que concentram 80% dos assassinatos de ativistas de Direitos Humanos. Considerando o assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Pedro Gomes, em 14 de março de 2018, o racismo estrutural e cotidiano, o patriarcado, o machismo, entre outras práticas de opressão da modernidade/colonialidade na contemporaneidade e os resultados das Eleições Municipais 2020, neste texto se tem como objetos de análise: a Agenda Marielle Franco (2020) do Instituto Marielle Franco; e os resultados das Eleições Municipais (2020), dando visibilidade ao povo negro, especificamente às mulheres negras, como em Curitiba, capital do Paraná, sul do Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Lúcia da Silva, UEM

Doutora em Educação (2018), linha de pesquisa: "Ensino, aprendizagem e formação de professores", pelo Programa de Pós-Graduação em Educação (PPE), da Universidade Estadual de Maringá - UEM. Doutoranda em História, linha de pesquisa: "História Política", Programa de Pós-Graduação em História (PPH) - UEM. Possui graduação em História pela Universidade Estadual de Maringá (1998) e mestrado em Historia- UEM/UEL pela Universidade Estadual de Maringá (2001). Atualmente é professora adjunta do Departamento de História da UEM, da Universidade Estadual de Maringá. Atua e tem interesse nas seguintes áreas/temas: Ensino de História; Educação, formação de professoras e professores; Educação antirracista e decolonial, o racismo e as relações étnico-raciais; História da África e cultura afro-brasileira; História do Brasil e História do Paraná.

Angelo Priori, Universidade Estadual de Maringá

Historiador, Doutor em História, com pós-doutorado pela UFMG (2010/2011). Docente do Departamento de História - DHI, do Programa de Pós-Graduação ProfHistória - Mestrado Profissional e do Programa de Pós-Graduação em História, linha de pesquisa: “História Política”. Líder do Grupo de pesquisa do CNPq: "Brasil Contemporâneo".

Referências

ACADEMIA DO SAMBA. Ficha técnica, sinopse do enredo e samba-enredo “100 anos de liberdade – realidade ou ilusão?”. Disponível em:<http://academiadosamba.com.br/. Acesso em: 05 fev. 2021

ALMEIDA, Silvio. Racismo estrutural. São Paulo: Sueli Carneiro; Pólen, 2019. (Coleção Feminismos Plurais).

BRASIL. Lei n. 11.645/2008, sobre a obrigatoriedade do ensino da História e cultura africana, afro-brasileira e indígena nas instituições de ensino públicas e privadas, alterando a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - LDBEN, Lei n. 9.394/1996.

BRASIL. Lei n. 10. 639/2003, sobre a obrigatoriedade do ensino da História África e cultura africana, afro-brasileira nas instituições de ensino públicas e privadas, e a inclusão da data “20 de novembro - Dia Nacional da Consciência Negra” no calendário escolar, alterando a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - LDBEN, Lei n. 9.394/1996.

BRUNELO, Leandro. PRIORI, Angelo. Cultura política: reflexão conceitual e interface com a História Política. In: BRUNELO, Leandro. PRIORI, Angelo (Orgs.). História Política e a sua escrita: temas, abordagens e problematizações. Curitiba: Editora Prismas, 2018. p. 13 – 38.

CALDAS, Ana Carolina. Curitiba faz história ao eleger a primeira vereadora negra da cidade. Brasil de Fato, 15 nov. 2020. Disponível no site: <https://www.brasildefato.com.br/2020/11/15/curitiba-faz-historia-ao-eleger-a-primeira-vereadora-negra-da-cidade> Acesso em: 10 fev. 2021

CARNEIRO, Sueli. Escritos de uma vida: Sueli Carneiro. Belo Horizonte, MG: Letramento, 2018.

CARNEIRO, Sueli. Racismo, sexismo e desigualdade no Brasil. São Paulo: Selo Negro, 2011. (Consciência em debate)

COLLINS, Patrícia Hill. Pensamento feminista negro: conhecimento, consciência e a política de empoderamento. Trad. Jamille Pinheiro Dias. São Paulo: Boitempo, 2019.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. Trad. Heci Regina Candiani. São Paulo: Boitempo, 2016.

EVARISTO, Conceição. “Nadificando”, poema dedicado a Marielle Franco, de Conceição Evaristo, redigido após a notícia do seu assassinato, em 2018.

EVARISTO, Conceição. Becos da memória. 3 ed. Rio de Janeiro: Pallas, 2017.

EVARISTO, Conceição. Insubmissas lágrimas de mulheres. 3. ed. Rio de Janeiro: Malê, 2016.

EVARISTO, Conceição. Poemas da recordação e outros movimentos. 5. ed. Rio de Janeiro: Malê, 2017.

FONSECA, Thais Nívia de Lima e. História & Ensino de História. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

FOTOGRAFIA. Carol Dartora. Disponível no site:< https://www.unibrasil.com.br/academia-unibrasil-e-curso-de-pedagogia-recebem-carol-dartora/> Acesso em: 10 fev. 2020

FOTOGRAFIA. Marielle vereadora. Foto do arquivo familiar de Anielle Franco, irmã de Marielle Franco e diretora do Instituto Marielle Franco, criado em 2019. FRANCO, Anielle. Marielle Franco. In: CASTRO, Amanda Motta. Memória do curso: Pensadoras negras brasileiras. São Leopoldo, RS: Escola As Pensadoras, 2020. p. 187.

FRANCO, Anielle. Marielle Franco. In: CASTRO, Amanda Motta. Memória: Pensadoras negras brasileiras. São Leopoldo, RS: Escola As Pensadoras, 2020. p. 169 - 212.

FRANCO, Anielle. Quem cuida das mulheres negras? Ecoa, 23 nov. 2020. Disponível no site: <https://www.uol.com.br/ecoa/colunas/anielle-franco/2020/11/23/quem-cuida-das-mulheres-negras-eleitas.htm> Acesso em: 10 fev. 2021

GOHN, Maria Glória. Movimentos sociais e Educação. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1994.

GOMES, Nilma Lino. Movimento Negro educador: saberes construídos nas lutas por emancipação. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017.

GOMES, Nilma Lino. O Movimento Negro e a intelectualidade negra descolonizando os currículos. In: BERNARDINO-COSTA, Joaze. MALDONATO TORRES, Nelson. GROSFOGUEL, Ramón (Orgs.). In: Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. Belo Horizo nte: Autêntica Editora, 2019. p. 223 - 246. (Coleção Cultura Negra e Identidades)

GONÇALVES, Luiz Alberto Oliveira. SILVA, Petronilha Beatriz Gonçalves e. Movimento Negro e Educação. In: FÁVERO, Osmar. IRELAND, Timothy (Orgs.). Educação como exercício de diversidade. Brasília, DF: UNESCO, MEC, ANPEd, 2007. p. 181 - 228.

GONZALEZ, Lélia. A mulher negra na sociedade brasileira. In: Lugar da mulher: estudos sobre a condição feminina na sociedade atual. (Organização de Madel Luz). Rio de Janeiro: Graal Editora, 1981. In: UCPA (Org.). Lélia González: primavera para as rosas negras. Coletânea organizada e editada pela UCPA – União dos Coletivos Pan-Africanistas. Diáspora Africana: Editora Filhos da África, 2018. p. 34 - 53.

GONZALEZ, Lélia. Mulher negra. Artigo escrito para o jornal Mulherio. Ano I, n. 3, setembro /outubro de 1981, p. 8 - 9. In: UCPA (org.). Lélia González: primavera para as rosas negras. Coletânea organizada e editada pela UCPA – União dos Coletivos Pan-Africanistas. Diáspora Africana: Editora Filhos da África, 2018. p. 103 - 108.

GONZALEZ, Lélia. Mulher negra. O artigo Mulher Negra, escrito por Lélia Gonzalez no início da década de 1980, foi extraído da Revista Afrodiaspórica, a. 3, n. 6 -7, São Paulo: IPEAFRO, 1985. In: UCPA (org.). Lélia González: primavera para as rosas negras. Coletânea organizada e editada pela UCPA – União dos Coletivos Pan-Africanistas. Diáspora Africana: Editora Filhos da África, 2018. p. 265 - 282.

GONZALEZ, Lélia. Por um feminisno afrolatinoamericano, foi publicado originalmente na Revista Internacional, Santiago, v. 9, p. 133 – 141, 1988. In: UCPA (org.). Lélia González: primavera para as rosas negras. Coletânea organizada e editada pela UCPA – União dos Coletivos Pan-Africanistas. Diáspora Africana: Editora Filhos da África, 2018. p. 307 - 320.

GONZALEZ, Lélia. Racismo e sexismo na cultura brasileira. Apresentação na Reunião do Grupo de Trabalho “Temas Problemas da População Negra no Brasil”, IV Encontro Anual da Associação Brasileira de Pós-Graduação e Pesquisa nas Ciências Sociais, Rio de Janeiro, 29ª 31 de outubro de 1980. In: UCPA (Org.). Lélia González: primavera para as rosas negras. Coletânea organizada e editada pela UCPA – União dos Coletivos Pan-Africanistas. Diáspora Africana: Editora Filhos da África, 2018. p. 190 - 214.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Trad. Adelaine La Guardia Resende et al. Organização de Liv Sovik. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2013.

HOOKS, bell. O feminismo é para todo mundo: politicas arrebatadoras. Trad. Bhuvi Libanio. 9. ed. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2019.

IANNI, Octavio. As metamorfoses do escravo. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1988.

IPEA. FBSP. Atlas da violência 2019. Brasília: Rio de Janeiro: São Paulo: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 2019.

INSTITUTO MARIELLE FRANCO. Agenda Marielle Franco - Eleições municipais 2020. (2020). Disponível em: https://www.agendamarielle.com/ Acesso em: 02 fev. 2021

JULLIARD. Jacques. A política. In: LE GOFF, Jacques. História: novas abordagens. Trad. Henrique Mesquita. Rio de Janeiro: F. Alves, 1976. p. 180 - 195.

LIESA. Colocações - Carnaval, 1988. Sobre a classificação das escolas de samba Estação Primeira de Mangueira e Unidos da Vila Isabel. Disponível em: <http://liesa.globo.com/memoria/colocacoes.html Acesso em: 10 fev. 2021

LIESA. Liga Independente das Escolas de Samba do Rio de Janeiro. Colocações - Carnaval, 2019. Sobre a classificação da escola de samba Estação Primeira de Mangueira. Disponível em: <http://liesa.globo.com/memoria/colocacoes.html Acesso em: 10 fev. 2021

LIESA. Liga Independente das Escolas de Samba do Rio de Janeiro Mangueira. In: Ensaio Geral: informativo oficial da LIESA. Rio de Janeiro: Ísis Editora, 2019. p. 39.

LOPES, Nei. Marielle Franco. In: Afro-Brasil reluzente: 100 personalidades notáveis do século XX. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2019. p. 199 - 202.

MARQUES, Teresa Cristina de Novaes. O voto feminino no Brasil. 2. ed. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2019.

MBEMBE, Achille. Necropolítica: biopoder, soberania, estado de exceção, política de morte. Trad. Renata Santini. São Paulo: n-1 edições, 2018.

MUNANGA, Kabengele. GOMES, Nilma Lino. O negro no Brasil de hoje. São Paulo: Global, 2016. (Para entender)

MUNANGA, Kabengele. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: identidade nacional versus identidade negra. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.

NASCIMENTO, Abdias do. O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado. São Paulo: Perspectiva, 2017.

NASCIMENTO, Beatriz. A mulher negra no mercado de trabalho. Artigo publicado originalmente no Jornal Última Hora, Rio de Janeiro, domingo, 25 de julho de 1976. In: UCPA (org.). Beatriz Nascimento, quilombola e intelectual: possibilidade nos dias da destruição. Coletânea organizada e editada pela UCPA – União dos Coletivos Pan-Africanistas. Diáspora Africana: Editora Filhos da África, 2018. p. 80 - 85.

NASCIMENTO, Beatriz. Mulher negra e o amor. Ensaio publicado originalmente no Jornal Maioria Falante, n. 7. fev. mar 1990. p. 3. In: UCPA (org.). Beatriz Nascimento, quilombola e intelectual: possibilidade nos dias da destruição. Coletânea organizada e editada pela UCPA – União dos Coletivos Pan-Africanistas. Diáspora Africana: Editora Filhos da África, 2018. p. 353 - 357.

PAIXÃO, Letícia Aparecida. PRIORI, Angelo. História Política: definições. In: PRIORI, Angelo. POMARI, Luciana Regina (orgs.). História Política: métodos e problemas historiográficos. Maringá: EDUEM, 2016. p. 13 - 20.

PAIXÃO, Marcelo. GOMES, Flavio. História das diferenças e das desigualdades revisitadas: notas sobre gênero, escravidão, raça e pós-emancipação. In: XAVIER, Giovana. FARIAS, Juliana Barreto. GOMES, Flavio (orgs.). Mulheres negras no Brasil escravista e do pós-emancipação. São Paulo: Selo Negro, 2012. p. 297 - 313.

PRIORI, Angelo et. al. História do Paraná: séculos XIX e XX. Maringá: Eduem, 2012.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder e classificação social. In: SANTOS, Boaventura de Sousa. MENESES, Maria Paula (Orgs.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010. p. 84 - 130.

REDAÇÃO PARANÁ. Em Curitiba, vereador Renato Freitas (PT) denuncia ameaças de homens armados. Brasil de Fato, 16 jan. 2021. Disponível no site: <https://www.brasildefato.com.br/2021/01/16/em-curitiba-vereador-renato-freitas-pt-denuncia-ameacas-de-homens-armados> Acesso em: 10 fev. 2021

RÉMOND, René. Uma história presente. In: RÉMOND, René (org.). Por uma História Política. 2. ed. Trad. Dora Rocha. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2003. p. 13 - 36.

RIBEIRO, Djamila. Pequeno manual antirracista. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

RIBEIRO, Djamila. Quem tem medo do feminismo negro? São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

RIOS, Flávia. LIMA, Márcia (Orgs.). Lélia Gonzalez. Por um feminismo afro-latino-americano: ensaios, intervenções e diálogos. Rio de Janeiro: Zahar, 2020.

RPC Curitiba. Três vereadores negros eleitos em Curitiba destacam importância da educação na trajetória por uma 'cidade mais plural'. RPC Curitiba, G1, Globo, 20 nov. 2020 Disponível no site: <https://g1.globo.com/pr/parana/noticia/2020/11/20/tres-vereadores-negros-eleitos-em-curitiba-destacam-importancia-da-educacao-na-trajetoria-por-uma-cidade-mais-plural.ghtml> Acesso em: 10 fev. 2021RUPP, Isadora. Ameaças de neonazistas a vereadoras negras e trans alarmam e expõem avanço do extremismo no Brasil. El País, 10 jan. 2021. Disponível no site: < https://brasil.elpais.com/brasil/2021-01-10/ameacas-de-neonazistas-a-vereadoras-negras-e-trans-alarmam-e-expoem-avanco-do-extremismo-no-brasil.html> Acesso em: 10 fev. 2021

SAMBA-ENREDO: Cem anos de liberdade, realidade ou ilusão. Escola de samba Estação Primeira de Mangueira, carnaval carioca de 1988. Disponível no site: <https://www.letras.mus.br/mangueira-rj/478753/>: Acesso em: 10 fev. 2021

SAMBA-ENREDO: História pra ninar gente grande. Estação Primeira de Mangueira, carnaval carioca de 2019. Disponível em: <https://www.letras.mus.br/mangueira-rj/samba-enredo-2019-historias-para-ninar-gente-grande/> Acesso em: 10 fev. 2021

SANTOS, Boaventura de Sousa. MENESES, Maria Paula. Introdução. SANTOS, Boaventura de Sousa. MENESES, Maria Paula (orgs.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010. p. 15 - 27.

SANTOS, Boaventura de Sousa. O fim do Império cognitivo: a afirmação das epistemologias do Sul. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2019.

SILVA, Ana Lúcia da. Ensino de História da África e cultura afro-brasileira: estudos Culturais e sambas-enredo. Curitiba: Editora Appris, 2019.

SILVA, Ana Lúcia da. PRIORI, Angelo. O movimento social Black Lives Matter nos EUA e no Brasil: da violência racial e policial ao genocídio do povo negro. In: PRIORI, Angelo. SILVA, Ana Lúcia da. BOLONHEZI, Camilla Samira de Simoni (Orgs.). Ensino de História, diversidade e educação antirracista. Curitiba: Editora Brazil Publishing, 2020. p. 89 - 125.

SKIDMORE, Thomas E. Preto no branco: raça e nacionalidade no pensamento brasileiro. Trad. Raul de Sá Barbosa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.

TAIT, Tania Fatima Calvi. As mulheres na luta política. Curitiba: Editora CRV, 2020.

TSE. Cota de 30% para mulheres nas eleições proporcionais deverá ser cumprida por cada partido em 2020. Brasília: Tribunal Superior Eleitoral, 2020. Disponível em:< https://www.tse.jus.br/imprensa/noticias-tse/2019/Marco/cota-de-30-para-mulheres-nas-eleicoes-proporcionais-devera-ser-cumprida-por-cada-partido-em-2020 > Acesso em: 10 mar. 2021

WEIGERT, Daniele. De Cam a Maria: a escravidão e a liberdade no Paraná. In: PRIORI, Angelo (org.). História do Paraná: novos caminhos e novas abordagens. Curitiba: CRV, 2016. p. 39 - 55.

ZUBARAN, Maria Angélica. Pedagogias da imprensa negra: negociações de sentidos e transgressões simbólicas. In: SARAIVA, Karla. GUIZZO, Bianca Salazar (Orgs). Educação em um mundo de tensão: insurgências, transgressões, sujeições. Canoas, RS: Editora ULBRA, 2017. p. 205 - 218.

Downloads

Publicado

2021-03-29

Como Citar

da Silva, A. L., & Priori, A. (2021). História Política, Movimento Negro e Feminismo Negro: “#Marielle Semente”, as mulheres negras na política. Sul-Sul - Revista De Ciências Humanas E Sociais, 1(Especial), 07–34. Recuperado de https://revistas.ufob.edu.br/index.php/revistasul-sul/article/view/836

Edição

Seção

Número Especial 01 (2021) - Marielle Franco Presente!