Sapatão

narrativas político-afetivas de corpos-fronteira na cidade

Autores

  • Gabriela Gonçalves UNICENTRO
  • Paula Marques da Silva UNICENTRO

DOI:

https://doi.org/10.53282/sulsul.v2i02.878

Palavras-chave:

Cartografia, Encontro, Sapatão, Cidade, Narrativas

Resumo

O objetivo de nosso trabalho foi cartografar experiências sapatão na cidade. Trata-se de uma pesquisa inserida no campo de estudos do gênero e das interseccionalidades. Nos interessou conhecer, especialmente, de que maneira os corpos-sapatão foram e são constituídos em meio a processos institucionais e como se localizam em meio às forças em relação. Os dados foram produzidos e analisados com base no método cartográfico, a partir da ferramenta de um caderno itinerante que circulou entre as 5 participantes-narradoras. Para a composição do diagrama teórico-analítico, utilizamos da performatividade, precariedade e aliança em Butler, da noção de encontro como aquilo que produziu as narrativas e da cidade como território existencial. As linhas de análise aparecem intituladas como Foi difícil escrever, tive que me conectar com a K. de 1990; Quem lhes solicita para estar atente a estas palavras não é uma mulher, mas sim uma sapatã; Aprendi com meu avô que a saliva tem mais poder que a pólvora; Corpo é cidade, muda mas permanece mesmo com toda a mudança e Por um ethos sapatão-cartográfico de condução da escuta. Encontramos, em nosso trabalho, modos  plurais de corpos-sapatão experimentarem as cidades, a partir de um acompanhamento de processos possibilitado pelo exercício das escritas de si. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriela Gonçalves, UNICENTRO

Formação em Psicologia pela Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO-2017/2022). Participou das gestões do Centro Acadêmico Nise da Silveira (2018-2019 e 2019-2020). Possui como áreas de interesse: gênero, interseccionalidades, políticas públicas, psicologia social e institucional. 

Paula Marques da Silva, UNICENTRO

Psicóloga, formada pela Universidade do Vale do Itajaí, Mestre em Psicologia Social e Institucional pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2008 - 2010) e Doutora em Educação pelo Programa de Pós Graduação em Educação da UFRGS (2011-2015).

Referências

BARROS, Laura Pozzana de.; KASTRUP, Virgínia. Cartografar é acompanhar processos. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. da (Org.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009. p. 52-75.

BARROS, Regina Benevides de.; PASSOS, Eduardo. Diário de bordo de uma viagem-intervenção. In: PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virgínia; ESCÓSSIA, Liliana da (Org.). Pistas do método da cartografia: pesquisa- intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009. p. 172-199

BEREANO, Nancy K. In: LORDE, Audre. Irmã Outsider. 1. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2020. p. 11-17.

BUTLER, Judith. Corpos em aliança e a política das ruas: notas para uma teoria performativa de assembleia. 1. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018. 266 p.

DAL MOLIN, Fernando. Rizomas e fluxos molares e moleculares da máquina-escola: confissões de um cartógrafo. Psicologia & Sociedade, 23(2), 2020, p. 303-311.

DAS, Veena. O ato de testemunhar: violência, gênero e subjetividade. Cadernos Pagu, [s. l.], p. 9-41, 2011.

DELEUZE, Gilles; PARNET, Claire. Diálogos. São Paulo: Editora Escuta, 1998. 179 p.

GUATTARI, Félix. Caosmose: um novo paradigma estético. 4. ed. São Paulo: Editora 34. 208 p.

KVIATKOVSKI, Helena. Epiderme-movimento. In: AZEVEDO, Adriana; MIRANDA, Aline; SOUZA, Rêzi de (Org.). Visíveis. [s/l]. Filipa Edições, 2020. p. 91

LAZZAROTTO, Gislei; CARVALHO, Julia. D. Afetar. In: FONSECA, T. M. G.; NASCIMENTO, L. M.; MARASCHIN, Cleci (Org.). Pesquisar na diferença: um abecedário. Porto Alegre: Sulina, 2012.

MARQUES, Marina Ribeiro. A prática do Acompanhamento terapêutico como estratégia de expansão territorial: uma incursão cartográfica. Psicologia & Sociedade, 25(n. spe. 2), 2013, p. 31-40.

PAIM, Mariana. Às Anas. In: AZEVEDO, Adriana; MIRANDA, Aline; SOUZA, Rêzi de (Org.). Visíveis. [s/l]. Filipa Edições, 2020. p. 108

PASSOS, Eduardo; BARROS; Regina Benevides de. A cartografia como método de pesquisa-intervenção. In: PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virgínia; ESCÓSSIA, Liliana da (Org.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009. p. 17-31

PERES, Milena Cristina Carneiro; SOARES, Suane Felippe; DIAS, Maria Clara. Dossiê sobre lesbocídio no Brasil: de 2014 até 2017. Rio de Janeiro: livros ilimitados, 2018.

PISCITELLI, Adriana. Interseccionalidades, categorias de articulação e experiências de migrantes brasileiras. Sociedade e Cultura, v.11, n.2, jul/dez. 2008. p. 263 a 274

PRECIADO, Paul B. Cartografias queer: o flâneur perverso, a lésbica topofóbica e a puta multicartográfica, ou como fazer uma cartografia “zorra” com Annie Sprinkle. Performatus. ano 5, n. 17, jan. 2017. 32 p. Disponível em <https://performatus.com.br/traducoes/cartografias-queer/> . Acesso em: 21 de abril de 2021.

PRECIADO, Paul B. Manifesto Contrassexual: práticas subversivas da identidade sexual. 2. ed. São Paulo: N-1 edições, 2017. 224 p.

ROCHA, Carol. Dançaram-me negra. In: AZEVEDO, Adriana; MIRANDA, Aline; SOUZA, Rêzi de (Org.). Visíveis. [s/l]. Filipa Edições, 2020. p. 57

ROLNIK, Suely. Esferas da insurreição: notas para uma vida não cafetinada. 1. ed. São Paulo: N-1 edições, 2018. 208 p.

Downloads

Publicado

2021-10-01

Como Citar

Gonçalves, G., & Marques da Silva, P. (2021). Sapatão: narrativas político-afetivas de corpos-fronteira na cidade . Sul-Sul - Revista De Ciências Humanas E Sociais, 2(02), 19–46. https://doi.org/10.53282/sulsul.v2i02.878

Edição

Seção

Vol. 02 N. 02 - Epistemologias e Ativismos Lésbicos no Sul Global