Lesbianidades e identizações no ciberespaço

as narrativas de jovens ativistas no instagram como parte da luta contra a lesbofobia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.53282/sulsul.v2i02.883

Palavras-chave:

Lesbofobia, Identizações, Ativismo lésbico, Juventudes, Narrativas online

Resumo

Neste artigo, propomo-nos a analisar como jovens lésbicas constroem suas identizações em ativismos contra a lesbofobia a partir das narrativas que produzem em redes sociais, e como esse tipo de ativismo contribui para sua luta. Discorre-se, inicialmente, sobre abordagens históricas e científicas da lesbianidade e sobre lesbofobia, recorrendo-se, neste caso, às teorizações de Ángela Lorenzo. Em articulação, trabalhamos com o conceito de ‘identização’, tal como problematizado por Alberto Melucci, com vistas à discussão sobre produção identitária e ativismo. A abordagem metodológica alinha-se com a etnografia virtual, neste caso realizada na rede social Instagram durante o ano de 2021. Foram selecionadas postagens publicadas por quatro jovens lésbicas, com idades entre 25 e 34 anos, escolhidas por tornarem visíveis assuntos sobre as lesbianidades.  As análises mostraram que prevalece o teor autobiográfico das narrativas textuais e imagéticas. São variadas as estratégias narrativas empregadas para investir e tornar visíveis pautas dos movimentos lésbicos. Podemos afirmar que as identizações dessas ativistas são construídas cotidianamente na escrita sobre si, bem como no desenvolvimento de uma rede de trocas de informações e afetos com outras lésbicas. Há um uso explicitamente político do Instagram, à medida que as postagens tornam correntes temas como as lesbianidades e as existências lésbicas, buscando, também, reconhecimento de lutas e identidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Camila Bonin Liebgott, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

 Mestranda do Programa de Pós Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), graduada em Ciências SociaisLicenciatura (2020) na Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

 

Leandro Rogério Pinheiro, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Referências

ALVES, Zenaide Gregório. Inquisição e homossexualidade na colônia. Simpósio Inter-nacional De Estudos Inquisitoriais, I, Salvador, 2011.

AMORIM, Anna Carolina Horstmann. Dupla maternidade no Instagram: entre fotos, ativismo e parentesco. MovimentAção, v. 6, n. 10, p. 170-184, 2019.

BARBOSA, Regina Maria; FACCHINI, Regina. Dossiê saúde das mulheres lésbicas: promoção da equidade e da integralidade. Rede Feminista de Saúde, Belo Horizonte. 2006.

BORGES, Lenise Santana. Visibilidade lésbica: um comentário a partir de textos da mídia. Sexualidade, Gênero e Sociedade, edição especial, v. 23, p. 24-25, 2005.

DAYRELL, Juarez; CARRANO, Paulo. Juventude e ensino médio: quem é este aluno que chega à escola. Juventude e ensino médio: sujeitos e currículos em diálogo. Belo Horizonte: UFMG, p. 101-133, 2014.

FEIXA, Carles. De la generación@ a la #generación: la juventude en la era digital. Barcelona: Ned Ediciones, 2014.

HINE, Christine. Etnografía virtual. Editorial uoc, 2011.

LAHIRE, Bernard. Homem plural: os determinantes da ação. Vozes Editora, 1998.

LEMOS, Ana Carla da Silva. Movimentos de lésbicas de Pernambuco: uma etnografia lésbica feminista. Dissertação de Mestrado em Antropologia - Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2019.

LESSA, Patrícia. Lesbianas em movimento: a criação de subjetividades (Brasil, 1979-2006). Tese de Doutorado, UNB, 2007.

LORENZO, Ángela Alfarache. La construcción cultural de la lesbofobia. Una aproxima-ción desde la antropología. Homofobia: laberinto de la ignorancia, p. 125, 2012.

MELUCCI, Alberto. A invenção do presente: movimentos sociais nas sociedades com-plexas. Vozes, 2001.

MELUCCI, Alberto. O jogo do eu. A mudança de si em uma sociedade global. São Le-opoldo: Editora Unisinos, 2004.

OLIVEIRA, Cláudia Freitas de. A homossexualidade feminina na história do Brasil: do esforço de construção de um objeto histórico ao desdobramento na construção da cidadania. Les Online, v. 7, n. 2, p. 2-19, 2015.

OLIVEIRA, Victor Hugo Nedel; LACERDA, Miriam Pires Corrêa de; SANTOS, Andreia Mendes dos; FEIXA, Carles. Culturas juvenis e temas sensíveis ao contemporâneo: uma entrevista com Carles Feixa Pampols. Educar em Revista, v. 34, n. 70, 2018.

PORTINARI, Denise. (1989). O discurso da homossexualidade feminina. São Paulo: Brasiliense.

REYES, Júlia. Lendo as adolescentes tomboys de Carson Mccullers em diálogo com a Teoria Mimética de René Girard. XV Congresso Internacional ABRALIC. Brasília, p. 5355 – 5366, 2017.

SALES, André Luis Leite de Figueirêdo. Quais as diferenças entre os termos militância e ativismo. NEXO Jornal, 27 de fev de 2019. Disponível em: https://www.nexojornal.com.br/. Acesso em: 08 ago. 2021.

SELEM, Maria Célia Orlato. A Liga Brasileira de Lésbicas: produção de sentidos na construção do sujeito político lésbica. Dissertação de Mestrado em História - Univer-sidade de Brasília, Brasília, 2007.

SOARES, Gilberta Santos; COSTA, Jussara Carneiro. Movimento lésbico e Movimento feminista no Brasil: recuperando encontros e desencontros. Labrys - Estudos Femi-nistas, v. 20, p. 21, 2011.

SPOSITO, Marilia Pontes; ALMEIDA, Elmir de; CORROCHANO, Maria Carla. Jovens em Movimento: mapas plurais, conexões e tendências na configuração das práticas. Educação & Sociedade, v. 41, 2020.

Downloads

Publicado

2021-10-01

Como Citar

Bonin Liebgott, C., & Pinheiro, L. R. (2021). Lesbianidades e identizações no ciberespaço: as narrativas de jovens ativistas no instagram como parte da luta contra a lesbofobia. Sul-Sul - Revista De Ciências Humanas E Sociais, 2(02), 105–131. https://doi.org/10.53282/sulsul.v2i02.883

Edição

Seção

Vol. 02 N. 02 - Epistemologias e Ativismos Lésbicos no Sul Global