Corpos e experiências lésbicas importam? Para quem?

A rede lésbi brasil diálogos entre ativismo e academia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.53282/sulsul.v2i02.892

Resumo

Este artigo procura compreender, numa perspectiva foucaultiana e dos estudos de gênero, as relações de poder que produzem a invisibilidade das experiências, corpos e práticas relacionadas às lesbianidades no Brasil. Mesmo com diversas pesquisas acadêmicas e perante as trajetórias de ativistas lésbicas pelo país, tais experiências, corpos e práticas seguem invisibilizados. A análise questiona se tais relações estariam se produzindo por meio de discursos que interseccionam o machismo e a misoginia, dentre outras doenças sociais, ao eleger como alvos corpos e experiências que ousam se distanciar das normas colocadas em funcionamento pela heterossexualidade compulsória. Busca ainda pensar sobre as formas como as experiências lésbicas são, muitas vezes, sabotadas pelo próprio movimento social LGBT e por outros movimentos que contribuem para o apagamento desses corpos e práticas, colocando-os como menos importantes. Corpos e experiências lésbicas importam? Para quem? A partir destas reflexões, o texto investiga também a articulação da Rede Nacional de Ativistas e Pesquisadoras Lésbicas e de Mulheres Bissexuais – Rede LésBi Brasil, como uma estratégia de resistência aos tempos de obscurantismo acirrados no Brasil desde as eleições presidenciais de 2018.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dayana Brunetto Carlin dos Santos, UFPR

Professora de Didática do Setor de Educação da Universidade Federal do Paraná. Professora do programa de Pós-Graduação em Educação - PPGE / UFPR. Coordenadora do Núcleo de Gênero e Diversidade Sexual - NGDS da Superintendência de Inclusão, Políticas Afirmativas e Diversidade - SIPAD / UFPR. Pesquisadora e Vice Coordenadora do Laboratório de Investigação em Corpo, Gênero e Subjetividades na Educação - LABIN / UFPR. Pesquisadora do Núcleo de Estudos de Gênero - NEG / UFPR. Parecerista Ad hoc do GT 23 da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação - ANPEd. Interessada nos Estudos Foucaultianos, Estudos de Gênero, Feminismos, Feminismos Lésbicos, Travestilidades, Transexualidades, Branquitude e Educação.

Grazielle Tagliamento, Faculdades Dom Bosco

Professora Doutora do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Tuiuti do Paraná. Pesquisadora do NEPAIDS da USP. Coordenadora Educacional do Centro de Excelência em Gêneros e Sexualidades (CEGES).

Referências

BUTLER. Judith. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do “sexo”. In: LOURO, Guacira Lopes. (Org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2000. p. 151-172.

______. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

______. Vida precária. Trad. Ângelo Marcelo Vasco. In: Contemporânea. Dossiê Diferenças e (Des)Igualdades. n. 1, p. 13-33, jan./jun. 2011. Disponível em: <http://www.contemporanea.ufscar.br. Acesso em: 03 fev. 2021.

______. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto? Trad. Sérgio Tadeu de Niemeyer Lamarão e Arnaldo Marques da Cunha; revisão de tradução de Marina Vargas; revisão técnica de Carla Rodrigues. 1. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade I: a vontade de saber. 17. ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1988.

______. História da Sexualidade II: o uso dos prazeres. 12. ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1984.

______. História da Sexualidade III: o cuidado de si. 8. ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1985.

______. La ‘gouvemementalité. In: Dits et écrits. III, Paris: Gallimard, 1994.

______. Tecnologias del yo y otros textos afines. 2. ed. Barcelona: Ediciones Paidós Ibérica – S.A. 1995.

______. Nascimento da biopolítica. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

______. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 28. reimp. 2010.

______. (org.). Foucault estuda a Razão de Estado. In: Ditos e Escritos. Volume IV: estratégia, poder-saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012.

LESSA, Patrícia. O Feminismo Lesbiano em Monique Wittig. Revista Ártemis. vol. 7. 2007. João Pessoa. p. 93-100.

MAIRESSE, Denise. Cartografia: do método à arte de fazer pesquisa. In: FONSECA, Tania Mara Galli; KIRST, Patrícia Gomes. (Orgs). Cartografias e Devires: a construção do presente. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2003.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. Arte & Ensaios, Rio de Janeiro, n. 32, p. 122-151,

PINTO, Isabella Vitral et al. Perfil das notificações de violências em lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais registradas no Sistema de Informação de Agravos de Notificação, Brasil, 2015 a 2017. Revista Brasileira de Epidemiologia.vol. 23,suplemento 1, Rio de Janeiro, 2020. Epub 03.jul.2020.

RUBIN, Gayle. Thinking sex: notes for a radical theory of the politics of sexuality. In: ABELOVE, Henry; BARALE, Michèle Aima; HALPERIN, David. M. (Ed.). The lesbian and gay studies reader. New York: Routledge, 1993. p. 3-44.

SCOTT, Joan. Gênero uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade. vol. 20, n. 2. Porto Alegre, 1995.

WITTIG, Monique. The Straight Mind and Other Essays. Boston: Beacon Press, 1992.

______. El cuerpo lesbiano. Pre-textos. Valencia, 1977.

______. La pensée straight. Paris: Éditions Balland, 2001.

ZOURABICHVILI, François. O vocabulário de Deleuze. Rio de Janeiro: Relume Dumará, Sinergia. Ediouro, 2009.

Downloads

Publicado

2021-10-01

Como Citar

Brunetto Carlin dos Santos, D., & Tagliamento, G. (2021). Corpos e experiências lésbicas importam? Para quem? A rede lésbi brasil diálogos entre ativismo e academia. Sul-Sul - Revista De Ciências Humanas E Sociais, 2(02), 08–18. https://doi.org/10.53282/sulsul.v2i02.892

Edição

Seção

Vol. 02 N. 02 - Epistemologias e Ativismos Lésbicos no Sul Global