Corpos lésbicos no YouTube

quais são as mulheres visíveis?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.53282/sulsul.v2i02.887

Palavras-chave:

Visibilidades, Corpos

Resumo

Brancas, jovens, magras: assim é a maioria das mulheres lésbicas que se dão a ver no YouTube. Tal percepção se baseia em uma amostra de 862 vídeos coletados a partir das tags “lésbicas” e “sapatão” para analisar que corpos são visíveis nesse escopo, principalmente no que se refere à raça/etnia, idade e padrão corporal. Para abordar essa questão, iniciamos o artigo recuperando as produções acadêmicas, principalmente brasileiras, que tematizam as lesbianidades, a fim de conceituar melhor o que entendemos pelo termo. Chegamos a uma concepção de lesbianidade como identidade e como prática, que nos permitiu avançar em uma abordagem mais ampla nas nossas considerações acerca das lésbicas que se dão a ver nas produções analisadas. Em nossa pesquisa, percebemos que, para além da predominância de corpos que performam um padrão normativo de ser mulher, há também expressões de resistências e diversidades importantes de destacar. Concluímos, assim, que há várias formas de ser lésbica, mas que elas estão submetidas a lógicas normativas que não só complexificam essas existências por meio do jogo entre docilidade e resistência, como também operam sobre as visibilidades. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joana Ziller, UFMG

Professora Permanente do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da UFMG, coordena o Núcleo de Pesquisa em Conexões Intermidiáticas (NucCon) e seu Grupo de Estudos em Lesbianidades (GEL). joana.ziller@gmail.com.

Leíner Hoki, UFMG

Mestre em Artes Visuais pela UFMG (Belo Horizonte, Brasil), integra o Grupo de Estudos em Lesbianidades (GEL). leinerhoki@gmail.com .

Dayane do Carmo Barretos, UFMG

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Comunicação da UFMG (Belo Horizonte, Brasil), integra o Grupo de Estudos em Lesbianidades (GEL). E-mail: dayanecbarretos@gmail.com

Referências

ABREU, Maira. Nosotras: feminismo latino-americano em Paris. Revista Estudo Feministas. 21(2). Mai./Ago. 2013.

ALMEIDA, Gláucia. Argumentos em torno da possibilidade de infecção por DST e Aids entre mulheres que se autodefinem como lésbicas. Physis-Revista de Saúde Coletiva, v. 19, n. 2, p. 301-311, 2009.

ALMEIDA, Gláucia & HEILBORN, Maria Luiza. Não somos mulheres gays: identidade lésbica na visão de ativistas brasileiras. Gênero, v. 9, n. 1, 2o sem. 2008. P. 225-249.

ARC, Stéphanie. As lésbicas: mitos e verdades. São Paulo: GLS, 2009.

BARBOSA, Camila & GUERIM, Laura. Múltiplas construções da identidade lésbica: uma análise das narrativas teóricas de formação da subjetividade. Revista Ártemis, vol. XXX no 1; jul-dez, 2020. pp. 422-437. Disponível em: <https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/artemis/article/view/53014>. Acesso em: 12 ago. 2021.

BARBOSA, R.M.; FACCHINI, R. Acesso a cuidados relativos à saúde sexual entre mulheres que fazem sexo com mulheres em São Paulo, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, sup 2, p. S291-S300, 2009.

BATISTA, Daniela Conegatti e SOUZA, Jane Felipe. A lesbianidade materializada nos corpos (nem tão) femininos. Sexualidad, Salud y Sociedad. Abr. 2019.

BORGES, Lenise Santana & SPINK, Mary Jane Paris. Repertórios sobre lesbianidade na mídia televisiva: desestabilização de modelos hegemônicos. Psicologia & Sociedade. V. 21, n.3: 442-452. 2009.

BORGES, Lenise Santana. Mídia e lesbianidade: uma análise sobre posicionamentos na telenovela Senhora do Destino. Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia. V. 4, n. 1, p. 60-72. Jun. 2011.

BRANDÃO, Ana Maria. E se tu fosses um rapaz? Homo-erotismo feminino e construção social da identidade. Porto: Afrontamento, 2010.

BRITO, Jaqueline Gil.“Can I Be Me?”: A estrela Whitney, uma história de sucessos marcada por opressões. Cadernos de Gênero e Diversidade. V.4, n. 2. 2018

CAPRONI NETO, H. L. & BICALHO, R. A. Violência simbólica, lesbofobia e trabalho: um estudo em Juiz de Fora. Holos.V04. 2017.

CARMO, Íris Nery. O perigo das dobras: iconografias e corporalidades no feminismo contemporâneo. Sociologia & Antropologia. 8(1). Jan./Abr. 2018.

FACCHINI, Regina. Entre umas e outras: mulheres (homo)sexualidades e diferenças na cidade de São Paulo. 323p. Tese de doutorado apresentada ao programa de Ciências Sociais do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2008.

_____. Vinte anos depois: mulheres, (homo)sexualidades, classificações e diferenças na cidade de são paulo. Gênero, v. 9, n. 1, 2o sem. 2008. P. 195-223.

FERREIRA, Vinicius Kauê & GROSSI, Miriam Pillar. Teoria queer, políticas pós-pornô e privatização da sexualidade: uma conversa com Marie-Helene Bourcier. Revista Estudos Feministas. V. 22, n. 3. 2014.

FREITAS, Rafaela V. Tesouradas. Gênero e sexualidade nas representações das lesbianidades. In: FERRÃO, Dalcira; CARVALHO, Lucas H. & COACCI, Thiago (Org.). Psicologia, Gênero e Diversidade Sexual: saberes em diálogo. Belo Horizonte: CRP04, 2019. P. 196-220.

GIMENO, Beatriz. La construcción de la lesbiana perversa: visibilidade y representación de las lesbianas en los medios de comunicación: el caso Dolores Vázquez-Wanninkhof. Barcelona: Editorial Gedisa, 2008.

GREEN, James; QUINALHA, Renan; CAETANO, Marcio & FERNANDES, Marisa (Org.). História do Movimento LGBT no Brasil. São Paulo: Alameda, 2018.

GRILLO, Camila Karla e LANZARINI, Ricardo. Fixidez e a desconstrução: uma discussão sobre a identidade lésbica invisibilizada nas artes. Artémis. V. 25, n 1. Jan./Jun. 2018.

LEITE, Lettícia Batista Rodrigues. Quando a "décima musa" inspira raps e tambores: dos usos políticos da figura de Safo por vozes lésbicas e feministas no Brasil contemporâneo. Heródoto.v. 2, n. 2. Dez. 2017.

LESSA, Patrícia. O feminismo-lesbiano em Monique Wittig. Ártemis, v. 07, dez. 2007. P. 93-100.

LIMA, Fátima. Raça, Interseccionalidade e Violência: corpos e processos de subjetivação em mulheres negras e lésbicas. Cadernos de Gênero e Diversidade, V. 4, n. 2. 2018.

MACIEL, Patrícia Daniela & GARCIA Maria Manuela Alves. A lesbianidade como arte da produção de si e suas interfaces no currículo. Anais da 37ª Reunião Nacional da ANPEd. Out., 2015.

MARTINS, Larissa Pinto. Quebrando o tabu: visibilidade lésbica através dos boletins Chanacomchana. RELACult – Revista Latino-Americana de Estudos em Cultura e Sociedade. V.05. Abr. 2019.

MEDEIROS, Camila Pinheiro. "Uma família de mulheres": ensaio etnográfico sobre homoparentalidade na periferia de São Paulo. Revista Estudos feministas.v. 14, n. 2. Mai./Set. 2006.

MEZZARI, Danielly Christina de Souza. Lesbianidades e monstruosidades em pesquisa – Apontamentos sobre as errâncias da escrita. Revista Espaço Acadêmico. 19(216). 2019.

MÍCCOLIS, Leila & DANIEL, Herbert. Jacarés e lobisomens: dois ensaios sobre a homossexualidade. Rio de Janeiro: Achiamé, 1983.

OLIVEIRA, Mariana Duarte & MESQUITA, Marcos Ribeiro. Saindo do armário: a história do movimento lésbico em Maceió. Artémis. N. 26.2018.

PAIVA, Antonio Cristian Saraiva & VERAS, Elias Ferreira. Sobre "peineta" e "cuero": entrevista com Oscar Guasch. Revista Estudo Feministas. 24(1). Jan/Abr. 2016.

PINHEIRO, Pedro Marques. Vampiras que amam mulheres: sentidos e performances de lesbianidade no fandom de Carmilla. 2018. (MESTRADO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL) – Faculdade de Filosofia e Ciêcias Humanas, UFMG, Belo Horizonte, 2018.

RIBEIRO, Jessyka K.A.; COSTA, Jussara C. & SANTIAGO, Idalina M.F.L. Um jeito diferente e "novo" de ser feminista: em cena, o Riot Grrrl. Artémis. N.13. Jan/Jul. 2012.

RICH, Adrienne.. Heterossexualidade compulsória e existência lésbica (1980). In: _____. Heterossexualidade compulsória e existência lésbica & outros ensaios. A Bolha Editora: Rio de Janeiro, 2019. P. 25-108.

ROJAS, Zicri J. O. El lesbianismo como práctica descolonizador. Artémis.N.21. Jan./Jul. 2016.

RUBIN, Gayle. Políticas do sexo. São Paulo: Ubu Editora, 2017.

SANTOS, Ana Valéria Goulart. Representatividade lesbiana na obra Amora, de Natalia Borges Polesso. Revista Latino Americana de Estudos em Cultura e Sociedade. V. 04, ed. especial. Fev. 2018.

SILVA, Zuleide Paiva. Lesbianidade Política na Bahia: que ginga é essa? Cadernos de Gênero e Diversidade. 4(2): 91-116. 2018.

TOLEDO, Livia Gonsalves & TEIXEIRA FILHO, Fernando Silva. Lesbianidades e as referências legitimadoras da sexualidade. Estudos e Pesquisas em Psicologia, UERJ, RJ, ANO 10, N.3, P. 729-749, 3° quadrimestre de 2010. Disponível em http://www.revispsi.uerj.br/v10n3/artigos/pdf/v10n3a06.pdf. Acesso em 27 jan. 2021.

WERMUTH, Maiquel ngelo Dezordi & CANCIANI, Pamela. Entre identidades e microrresistências: onde estão as lésbicas. Quaestio Iuris. V. 11, n.02. 2018.

WITTIG, Monique. O Pensamento Hétero. 1980. Disponível em: https://we.riseup.net/assets/134062/Wittig,+Monique+O+pensamento+Hetero_pdf.pdf. Acesso em: 01 dez. 2018.

ZILLER, Joana & BARRETOS, Dayane C. Lesbianidades em vídeos no Youtube: homonormatividade e violências. ​​XXX Encontro Anual da Compós, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2021.

Downloads

Publicado

2021-10-01

Como Citar

Ziller, J., Hoki, L., & do Carmo Barretos, D. (2021). Corpos lésbicos no YouTube: quais são as mulheres visíveis?. Sul-Sul - Revista De Ciências Humanas E Sociais, 2(02), 68–88. https://doi.org/10.53282/sulsul.v2i02.887

Edição

Seção

Vol. 02 N. 02 - Epistemologias e Ativismos Lésbicos no Sul Global