Vestígio e memória lésbica nas entranhas do mundo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.53282/sulsul.v2i02.888

Palavras-chave:

artes visuais, artistas lésbicas, fotografia, epistemologias feministas

Resumo

O artigo investiga os registros fotográficos de Ana Mendieta, Zanele Muholi e Jade Marra, três mulheres do sul global. Para investigar suas obras partimos das ideias de teóricas feministas terceiro-mundistas como Gloria Anzaldúa e Karina Vergara Sanches. Além de trazermos o pensamento de Silvia Federici, Simone de Beauvoir, Linda Noclin e Roberta Barros para nos auxiliar nas leituras complexas das imagens sobre representação e visibilidade lésbica. Trabalhamos com o conceito de A/r/tografia de Rita Irwin que subverte questões centrais hegemônicas do academicismo branco para a construção de novas epistemologias feministas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline de Macedo Manhães, UERJ

Bacharel em Português e Literaturas de Língua Portuguesa na Universidade Federal do Rio de Janeiro (2017) e pós-graduada em Fotografia e Imagem no Instituto Universitário de Pesquisa do Rio de Janeiro (IUPERJ/UCAM) (2019)

Isabel Almeida Carneiro, UERJ

Doutora pelo PPGAV/EBA/UFRJ na linha de Linguagens Visuais, Mestre pelo Programa de Pós-graduação em Artes da UERJ, Especialista pela PUC-Rio em História da Arte e da Arquitetura no Brasil.

Referências

ANZALDÚA, Gloria. Falando em línguas: uma carta para as mulheres escritoras do Terceiro Mundo. Tradução de Édna de Marco. Revista Estudos Feministas. v. 8, n. 1, p. 229-236, 2000.

________________. Borderlands/La Frontera: The new mestiza. San Francisco: Aunt Lute Books, 1987.

BARROS, Roberta. Elogio ao toque ou como falar de arte feminista à brasileira. Rio de Janeiro: Ed. Relacionarte, 2016.

BEAUVOIR, Simone. O segundo sexo. A experiência vivida. Lisboa: Livraria Bertrand, 1976.

BERGER, John. Modos de ver. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.

DIAS, B.; IRWIN, R. L. (Orgs.). Pesquisa educacional baseada em arte: a/r/tografia. Santa Maria: Ed. da UFSM, 2013.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Sobrevivência dos vagalumes. Tradução de Vera Casa Nova e Márcia Arbex. Belo Horizonte: editora UFMG, 2011.

FEDERICI, Silvia. Calibã e a Bruxa. Mulheres, Corpo e Acumulação Primitiva. São Paulo: Elefante, 2017.

FLUSSER, Vilém. Gestos. São Paulo: Annablume, 2014.

FOSTER, Hall. Vision and Visuality. Seattle: Bay Press, 1988.

FOUCAULT, Michel. Ditos e escritos. In: Ética, sexualidade e política. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004.

GIUNTA, A. A virada iconográfica: a desnormalização dos corpos e sensibilidades na obra de artistas latino-americanas. In: FAJARDO-

HILL, C.; GIUNTA, A. Mulheres radicais: arte latino-americana, 1960-1985. São Paulo: Pinacoteca de São Paulo, 2018, pp.29-34.

MARRA, Jade. Mineira Jade Marra estreia mostra individual nesta quinta. Thiago Pereira. Hoje em Dia. Online. 25 de Janeiro de 2018. Disponível em: https://www.hojeemdia.com.br/almanaque/mineira-jade-marra-estreia-mostra-individual-nesta-quinta-1.591884

MONDZAIN, Marie-José. A imagem pode matar? Lisboa: Nova Vega, Limitada, 2009.

MUHOLI, Zanele. Exhibitions. Isilumo Siyaluma. The ORMS Photographic Blog. Cape Town, 1 de novembro de 2011. Disponível em: https://blog.ormsdirect.co.za/exhibition-isilumo-siyaluma-by-zanele-muholi/

MUNIZ-REED, Ivan. Pensamentos sobre práticas curatoriais no giro decolonial. In MASP Afterall. Arte e descolonização, 2019.

NOCHLIN, Linda. Por que não houve grandes mulheres artistas? Tradução de Juliana Vacaro. São Paulo: Edições Aurora, 2016. Disponível em: http://www.edicoesaurora.com/ensaios/Ensaio6.pdf

POLLOCK, Griselda. A modernidade e os espaços da feminilidade. In: MACEDO, Ana Gabriela e RAYNER, Francesca. Gênero, cultura visual e performance. Antologia crítica. Portugal, Edições Humus, 2011. Disponível em: https://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/23585/1/Genero%20Cultura%20Visual%20Performance.pdf

REGO, Margareth. A aventura de contar-se: feminismo, escrita de si e invenções de subjetividade. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2013.

REIS, Paulo Roberto de Oliveira. Construção do Olhar pelas Exposições. ArtSensorium. Vol. 01. junho, 2014.

RICH, Adrienne. Heterossexualidade compulsória e existência lésbica. Tradução: Carlos Guilherme do Valle. In: Revista Bagoas, n. 05, p. 17-44, 2010.

SANCHES, Karina Vergara. Lesbofeminismo. (2015).

_________. Sin Heterosexualidad Obligatoria no hay capitalism. La critica. 04 de setembro de 2015. Disponível em: http://www.la-critica.org/sin-heterosexualidad-obligatoria-no-hay-capitalismo/

Downloads

Publicado

2021-10-01

Como Citar

Manhães, A. de M. ., & Almeida Carneiro, I. (2021). Vestígio e memória lésbica nas entranhas do mundo. Sul-Sul - Revista De Ciências Humanas E Sociais, 2(02), 47–67. https://doi.org/10.53282/sulsul.v2i02.888

Edição

Seção

Vol. 02 N. 02 - Epistemologias e Ativismos Lésbicos no Sul Global