CONFLITOS SOCIOAMBIENTAIS ENVOLVENDO POPULAÇÕES TRADICIONAIS À LUZ DA EXPANSÃO DO AGRONEGÓCIO NA REGIÃO OESTE DA BAHIA

Autores

  • Prudente Pereira de Almeida Neto
  • Alessandro Oliveira Silva

DOI:

https://doi.org/10.53282/sul-sul.v4i1.981

Resumo

Este trabalho tem como propósito discutir os conflitos socioambientais entre o agronegócio e as populações tradicionais na região oeste da Bahia. Partindo da reflexão da relação ‘Ser Humano e Natureza’ dos pontos de vista do pensamento científico e chegando aos conflitos derivados do avanço do agronegócio e dos interesses do capital sobre os territórios tradicionais. Com a expansão das fronteiras agrícolas ocorreram várias mudanças na realidade da região oeste da Bahia, tanto em aspectos positivos de investimento em infraestruturas, desenvolvimento econômico, e outros, da mesma forma houve aspectos negativos, como os impactos ambientais derivados do desenvolvimento das atividades agrícolas e expansão das lavouras sobre o Cerrado, a exploração dos recursos hídricos, queimadas, desmatamento, contaminação dos solos e das águas, entre outros, impactando diretamente sobre o modo de vida e a própria sobrevivência de todos moradores da região e em especial, das comunidades tradicionais que habitam o Cerrado. E como arquétipo desse conflito, este trabalho aborda o caso do município de Formosa do Rio Preto, no Oeste da Bahia, com o propósito de evidenciar a realidade em que essas populações tradicionais estão inseridas no cenário cada vez mais ocupado pelas grandes fazendas do agronegócio. Trata-se, a abordagem metodológica deste texto, de um levantamento bibliográfico de documentos, entre estudos e relatórios, assim como de plataformas digitais com finalidades semelhantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Prudente Pereira de Almeida Neto

Doutor Honoris Causa Suuma cum Laude (Conselho Iberoamericano de Lima-PER). Doutor em 
(UFBA). Mestre em Zootecnia (UFL). Instituição: Universidade Federal do Oeste da Bahia –UFOB. Professor dos Cursos de Graduação em Geografia e Direito e Pesquisador Credenciado ao Programa de Ciências Ambientais – PPGCA, da Universidade Federal do Oeste da Bahia – UFOB.

Alessandro Oliveira Silva

Bacharel Interdisciplinar em Humanidades e Graduando em Direito pela Universidade Federal do Oeste da
Bahia – UFOB.

Referências

ALVES, Vicente Eudes Lemos. Mobilização e modernização nos cerrados piauienses: formação territorial no império do agronegócio. Tese (Doutorado em Geografia). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2006.

BARBOSA, Altair Sales. Cerrado: o laboratório antropológico ameaçado pela desterritorialização. Cadernos IHUideias, ano 15, n. 257, v. 15, 2017.

BELCHIOR, E. B.; ALCANTARA, P. H. R.; BARBOSA, C. F. Perspectivas e desafios para a região do Matopiba. Palmas: Embrapa Pesca e Aquicultura, 2017.

BRASIL. Decreto-lei nº 6.040, de 7 de fevereiro de 2007. Institui a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais.

BRUNO, Flávio Marcelo Rodrigues; MATOS, Raimundo Giovanni França. A proteção ambiental por meio da efetividade das políticas públicas na consolidação da cidadania socioambiental. Sul-Sul: Revista de Ciências Humanas e Sociais. n.1. v.1. p.57-81, 2020.

CAPRA, Fritjof. O Ponto de Mutação. Editora Cultrix. Tradução Álvaro Cabral. São Paulo. 1982.

CARSON, R. Primavera Silenciosa. São Paulo: Editora Gaia, 2010. Comissão de Direitos Humanos e Minoria. Violências contra a comunidade geraizeira de formosa do rio preto (BA). Disponível em: https://www.camara.leg.br/evento-legislativo/58244. Acesso em: 25/04/2023.

Comissão de Direitos Humanos e Minoria. Violências contra a comunidade geraizeira de formosa do rio preto (BA). Disponível em: https://www.camara.leg.br/evento-legislativo/58244. Acesso em: 25/04/2023.

COMISSÃO DE DIREITOS HUMANOS E MINORIA. Justiça baiana dá posse de 43 mil hectares para famílias de geraizeiros no oeste do estado. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/atividadelegislativa/comissoes/comissoes-permanentes/cdhm/noticias/justica-baiana-da-posse-de-43-hectares-para-familias-de-geraizeiros-nooeste-do-estado. Acesso em: 25/04/2023.

CPT Nacional. Conflitos no campo: Brasil 2018. Centro de documentação Dom Tomás Balduino: Coordenação, Antonio Canuto, Cassia Regina da Silva Luz e Paulo César Moreira dos Santos. 2019.

CPT Nacional. Conflitos no campo: Brasil 2019. Centro de documentação Dom Tomás Balduino: Coordenação, Antonio Canuto, Cassia Regina da Silva Luz e Paulo César Moreira dos Santos. 2020.

DIEGUES, A. C. S.O mito moderno da natureza intocada. São Paulo: Hucitec, 1993.

IBGE, Produção Agrícola Municipal 2019. Rio de Janeiro: IBGE, 2020.

KAZUHIRO, Yoshii. Amabilio J. A. de Camargo. Alvaro Luiz Orioli. Monitoramento ambiental nos projetos agrícolas do Prodecer. Planaltina, DF: Embrapa Cerrados, 2000.

LEFF, E. Complexidade, interdisciplinaridade e saber ambiental. Olhar de Professor, vol. 14, núm. 2, 2011.

LEFF, E. Ecologia, Capital e Cultura: a territorialização da racionalidade ambiental. Trad: Jorge E. Silva. Rev: Carlos Walter Porto Gonçalves. Petrópolis, RJ: Vozes. 2009.

LEFF, E. Saber Ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. Tradução Lúcia Mathilde Endlich Orth. 10.ed. Petrópolis - RJ. Editora Vozes. 2013.

HAESBAERT, R. Território e Multiterritorialidade: Um debate. GEOgraphia. Ano IX. N° 17. 2007.

MAPBIOMAS. Relatório Anual do Desmatamento no Brasil 2020. São Paulo, Brasil. 2021.

MAPA DE CONFLITOS ENVOLVENDO INJUSTIÇA AMBIENTAL E SAÚDE NO BRASIL. Populações tradicionais resistem ao crescente modelo do agronegócio no município de Formoso do Rio Preto. Disponível em: http://mapadeconflitos.ensp.fiocruz.br/conflito/ba-populacoestradicionais-resistem-ao-crescente-modelo-do-agronegocio-no-municipio-de-formoso-dorio-preto/. Acesso em 25/04/2023.

MATOS, P, F. PESSOA, V, L, S. A apropriação do cerrado pelo agronegócio e os novos usos do território. CAMPO-TERRITÓRIO: Revista de geografia agrária, v. 9, n. 17, p. 6-26, abr., 2014.

OCTAVIANO, C. Muito além da tecnologia: os impactos da Revolução Verde. n.120, pp. 0-0. ISSN 1519-7654. ComCiência. 2010.

PIB per capita: IBGE, em parceria com os Órgãos Estaduais de Estatística, Secretarias Estaduais de Governo e Superintendência da Zona Franca de Manaus - SUFRAMA.

PITTA, F, T. BOECHAT, C, A. MENDONÇA, M, L. A produção do espaço na região do MATOPIBA: violência, transnacionais imobiliárias agrícolas e capital fictício. Estudos Internacionais. Belo Horizonte. 2017.

RIGONATO, V. ALMEIDA, M.. A singularidade do cerrado: a inter-relação das populações tradicionais com as fitofisionomias. VIII EREGEO. Goiás. 2003.

SANTOS, M. PROST, C. Geografia, ação política e gestão de territórios tradicionais. Revista de Geografia Agrária. 2018.

SHIVA, V. Monoculturas da mente: perspectiva da biodiversidade e da biotecnologia. Trad. Dinah de Abreu Azevedo. São Paulo: Gala, 2003.

Downloads

Publicado

03-08-2023

Como Citar

PEREIRA DE ALMEIDA NETO, Prudente; OLIVEIRA SILVA, Alessandro. CONFLITOS SOCIOAMBIENTAIS ENVOLVENDO POPULAÇÕES TRADICIONAIS À LUZ DA EXPANSÃO DO AGRONEGÓCIO NA REGIÃO OESTE DA BAHIA. Sul-Sul - Revista de Ciências Humanas e Sociais, [S. l.], v. 4, n. 1, 2023. DOI: 10.53282/sul-sul.v4i1.981. Disponível em: https://revistas.ufob.edu.br/index.php/revistasul-sul/article/view/981. Acesso em: 14 jul. 2024.

Edição

Seção

Vol. 04 N. 01 - A naturaleza em Abya Yala: reflexões e desafios sobre a proteção e a preservação do meio ambiente na perspectiva do socioambientalismo, do buen vivir e de pachamama