Marielle Franco, Beatriz Nascimento, Presentes!

Legados de mulheres negras pensadoras brasileiras

Autores

  • Leandra Domingues Silvério UFTM

Palavras-chave:

Mulheres negras; Intelectualidades negras; Lutas e resistências

Resumo

As mulheres negras pensadoras brasileiras Marielle Francisco da Silva e Maria Beatriz Nascimento, respectivamente conhecidas como Marielle Franco e Beatriz Nascimento, são temas deste artigo, cujo o intuito é refletir sobre a importância delas como intelectuais e sobre suas experiências sociais na e da luta contra o racismo, misoginia, sexismo, LGBTfobia, desigualdades sociais e em prol dos direitos humanos e das pessoas moradoras das favelas. Há também o intuito de pensar sobre os seus legados geracionais para a sociedade, política, cultura, memória, história e historiografia das mulheres negras. Para tanto, são analisadas, entre outras, fontes jornalísticas, documentários, além de bibliografia atualizada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leandra Domingues Silvério, UFTM

Doutorado e Mestrado em História Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Bacharelado e Licenciatura em História pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Professora Associada do Departamento de História da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM).

Referências

AKOTIRENE, Carla. O que é Interseccionalidade?. São Paulo: Pólen, 2019. (Coleção Feminismos Plurais, Selo Sueli Carneiro).

ASSESSORIA DE IMPRENSA DO PJERJ. Acusados de matar Marielle têm bens bloqueados e vão para presídio federal. 15 mar. 2019. Disponível em: http://www.tjrj.jus.br/web/guest/noticias/noticia/-/visualizar-conteudo/5111210/6248471. Acesso em: 09 set. 2020.

BERTH, Joice. O que é Empoderamento?. Belo Horizonte: Letramento, 2018. (Coleção Feminismos Plurais).

BRASIL. Lei nº. 7.210, de 11 julho de 1984. Institui a Lei de Execução Penal. Diário Oficial da União, Brasília. 13 jul. 1984. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil. Acesso em: 09 set. 2020.

BRASIL. Lei 13.104, de 09 de março de 2015. Altera o art. 121 do Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 - Código Penal, para prever o feminicídio como circunstância qualificadora do crime de homicídio, e o art. 1º da Lei nº 8.072, de 25 de julho de 1990, para incluir o feminicídio no rol dos crimes hediondos. Diário Oficial da União, Brasília. 10 mar. 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/. Acesso em: 10 set. 2020.

CANÔNICO, Marco Aurélio. Da Maré, vereadora fazia parte do 'bonde de intelectuais da favela'. Folha de São Paulo, 15 mar. 2018. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2018/. Acesso em: 12 set. 2020.

CARNEIRO, Júlia Dias. Mulher, negra, favelada, Marielle Franco foi de 'cria da Maré' a símbolo de novas lutas políticas no Rio. BBC News Brasil, Rio de Janeiro, 15 mar. 2018a. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-43423055. Acesso em: 12 set. 2020.

____. 'Não queremos colocar Marielle em um pedestal', diz irmã. BBC News Brasil, Rio de Janeiro, 20 mar. 2018b. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-43479248. Acesso em: 12 set. 2020.

CRUZ, Eliana. Desde as chacinas da Candelária e Vigário Geral, mais de meio milhão de jovens foram assassinados. The Intercept Brasil, 23 jul. 2018. Disponível em: https://theintercept.com/2018/07/23/chacinas-jovens-candelaria-vigario/. Acesso em: 10 set. 2020.

CRUZ, Maria Teresa. Marielle, sobrenome favela. Ponte Jornalismo. Rio de Janeiro, 24 mar. 2018. Disponível em: https://ponte.org/marielle-sobrenome-favela/. Acesso em: 12 set. 2020.

CULTNE DOC BEATRIZ NASCIMENTO - 1987. Produtora: Cor da Pele. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=_16NQrmxnSs. Trecho na epígrafe foi transcrito pela autora deste artigo. Acesso em: 19 ago. 2020.

DIOP, Cheikh Anta. A unidade cultural da África Negra: esferas do patriarcado e do matriarcado na antiguidade clássica. Angola: Edições Mulemba, Portugal: Edições Pedago, 2014.

DOLZAN, Marcio. Arma utilizada para matar Marielle e Anderson foi uma submetralhadora. O Estado de São Paulo, 12 maio, 2018. Disponível em: https://brasil.estadao.com.br/noticias. Acesso em: 01 set. 2020.

FILHO, Francisco Alves. ‘Marielle fez de mim um feminista’, diz pai de vereadora. O Dia. 01 abr. 2018. Disponível em: https://odia.ig.com.br/rio-de-janeiro/2018/03/5527241-licoes-de-filha-para-pai.html#foto=1. Acesso em: 01 set. 2020.

FOLHA DE SÃO PAULO. Assassino de historiadora pega 17 anos. São Paulo, 20 abr. 1996. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/. Acesso em: 21 ago. 2020.

FRANCO, Marielle. UPP - A REDUÇÃO DA FAVELA A TRÊS LETRAS: uma análise da política de segurança pública do estado do Rio de Janeiro. Dissertação em (Administração do Programa de Pós-Graduação em Administração da Faculdade de Administração, Ciências Contábeis e Turismo) - Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: https://app.uff.br/riuff/handle/1/2166. Acesso em: 25 ago. 2020.

____. Fala contra a intervenção federal no Rio. Vídeo postado no Facebook. 20 fev. 2018a. Disponível em: https://www.facebook.com/MarielleFrancoPSOL. Trecho citado transcrito pela autora deste artigo. Acesso em: 22 set. 2020.

____. Roda de Conversa Mulheres Negras Movendo Estruturas. Encontro na Casa das Pretas. Rio de Janeiro, 14 mar. 2018b. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=c66reiUsSbo. Trechos citados transcritos pela autora deste artigo. Acesso em: 10 ago. 2020.

____. Projeto Vereadores que Queremos. Produção: Mídia Ninja e Rede Livre, 2016. Disponível em: http://vereadoresquequeremos.redelivre.org.br/. Trecho citado transcrito pela autora deste artigo. Acesso em: 12 set. 2020.

G1. Jardim em homenagem a Marielle Franco é inaugurado em Paris. G1, São Paulo, 21 set. 2019. Disponível em: https://g1.globo.com/mundo/noticia/2019/09/21/. Acesso em: 05 set. 2020.

GRAMADO, Paulo. Professora pode ter sido morta por racismo. Folha de São Paulo – Cotidiano, São Paulo, 31 jan. 1995. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/fsp. Acesso em: 21 ago. 2020.

IPEA. Atlas da Violência 2020. Governo Federal, Brasília, 2020. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/atlasviolencia/download/. Acesso em: 12 set. 2020.

MAYRINK, Priscilla. Cinco Projetos de Marielle Franco Aprovados na Câmara Municipal do Rio. RioOnWatch. 04 maio 2018. Disponível em: https://rioonwatch.org.br/?p=32750. Acesso em: 22 set. 2020.

MILLARCH, Aramis. "Orí", um filme para fazer a cabeça de públicos especiais. Tabloide Digital. Publicação original 05 out. 1989. Disponível em: http://millarch.com.br/artigo/ori-um-filme-para-fazer-cabeca-de-publicos-especiais. Acesso em: 15 set. 2020.

MPRJ. MPRJ e Polícia Civil prendem acusados dos assassinatos de Marielle e Anderson. MPRJ - Ministério Público do Rio de Janeiro, 12 mar. 2019. Disponível em: https://www.mprj.mp.br/home/-/detalhe-noticia/visualizar/81011. Acesso em: 14 set. 2020.

NASCIMENTO, Maria Beatriz. A Mulher negra no mercado de trabalho. In: RATTS, Alex. Eu sou Atlântica: sobre a trajetória de vida de Beatriz Nascimento. São Paulo: Imprensa Oficial/Kuanza, 2006. p. 102-106.

____. Por uma história do homem negro. In: RATTS, Alex. Eu sou Atlântica: sobre a trajetória de vida de Beatriz Nascimento. São Paulo: Imprensa Oficial/Kuanza, 2006. p. 93-98.

____. Negro e racismo. In: RATTS, Alex. Eu sou Atlântica: sobre a trajetória de vida de Beatriz Nascimento. São Paulo: Imprensa Oficial/Kuanza, 2006. p. 98-102.

____. Nossa democracia racial. In: RATTS, Alex. Eu sou Atlântica: sobre a trajetória de vida de Beatriz Nascimento. São Paulo: Imprensa Oficial/Kuanza, 2006. p. 106-107.

____. Kilombo e memória comunitária: um estudo de caso. In: RATTS, Alex. Eu sou Atlântica: sobre a trajetória de vida de Beatriz Nascimento. São Paulo: Imprensa Oficial/Kuanza, 2006. p. 109-115.

____. O conceito de quilombo e a resistência cultural negra. In: RATTS, Alex. Eu sou Atlântica: sobre a trajetória de vida de Beatriz Nascimento. São Paulo: Imprensa Oficial/Kuanza, 2006. p. 117-125.

____. Daquilo que se chama cultura. In: RATTS, Alex. Eu sou Atlântica: sobre a trajetória de vida de Beatriz Nascimento. São Paulo: Imprensa Oficial/Kuanza, 2006. p. 125-126.

____. A mulher negra e o amor. In: RATTS, Alex. Eu sou Atlântica: sobre a trajetória de Vida de Beatriz Nascimento. São Paulo: Imprensa Oficial/Kuanza, 2006. p. 126-129.

____. Beatriz Nascimento: intelectual e quilombola. Possibilidade nos dias de destruição. São Paulo: Diáspora Africana. Editora Filhos da África, 2018.

___. Sistemas sociais alternativos organizados pelos negros: dos quilombos às favelas. 1981. In:__. Beatriz Nascimento, quilombola e intelectual: possibilidades nos dias da destruição. São Paulo: Diáspora Africana. Editora filhos da África, 2018.

O NEGRO DA SENZALA AO SOUL.Realização: Departamento de Jornalismo da TV Cultura de São Paulo, 1977. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=5AVPrXwxh1A. Trecho citado foi transcrito pela autora deste artigo. Acesso em: 12 ago. 2020.

ORÍ. Direção: Raquel Gerber. Produção: Agra Filmes e Fundação do Cinema Brasileiro, São Paulo, Brasil, 1989. Trechos citados foram transcritos pela autora deste artigo. (Drive Google).

PIEDADE, Vilma. Dororidade. São Paulo: Editora Nós, 2017.

PIMENTEL, Raul. Nascida na Maré e formada na PUC - Rio, Marielle Franco é a 5ª vereadora mais bem votada. Jornal da PUC. 21 out. 2016. Disponível em: http://jornaldapuc.vrc.puc-rio.br/. Acesso em: 02 set. 2020.

RATTS, Alex. Eu sou atlântica: sobre a trajetória de vida de Beatriz Nascimento. São Paulo: Imprensa Oficial, 2006. Disponível em: https://www.imprensaoficial.com.br/downloads/pdf/. Acesso em: 20 ago. 2020.

SEMENTES: mulheres pretas no poder. Direção: Éthel Oliveira e Júlia Mariano. Produtora: Embaúba Filmes, Brasil, 2020. Disponível em: https://embaubafilmes.com.br/. Acesso em: 08 set. 2020.

SOBRAL, Isabel; MARTINS, Juliana. As vidas das mulheres negras importam. Jornal G1, 16 set. 2020. Disponível em: https://g1.globo.com/monitor-da-violencia/noticia/. Acesso em: 17 set. 2020.

STABILE, Arthur. Justiça do RJ aceita denúncia e acusados de matar Marielle Franco se tornam réus. Ponte Jornalismo, 15 mar. 2019. Disponível em: https://ponte.org/justica-do-rj. Acesso em: 09 set. 2020.

STRUCK, Jean-Philp. Arma que matou Marielle tem rastro obscuro até a Alemanha. DW Notícias Brasil. 16 maio, 2018. Disponível em: https://www.dw.com/pt-br/arma. Acesso em: 10 set. 2020.

TORRES, Sergio. Acusado de matar professora é preso no Rio. Folha de São Paulo - Cotidiano, São Paulo, 09 fev. 1995. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/1995/2/09/cotidiano/13.html. Acesso em: 21 ago. 2020.

Downloads

Publicado

2021-03-29

Como Citar

Domingues Silvério, L. (2021). Marielle Franco, Beatriz Nascimento, Presentes! Legados de mulheres negras pensadoras brasileiras. Sul-Sul - Revista De Ciências Humanas E Sociais, 1(Especial), 118–145. Recuperado de https://revistas.ufob.edu.br/index.php/revistasul-sul/article/view/802

Edição

Seção

Número Especial 01 (2021) - Marielle Franco Presente!