Da opressão comum à interseccionalidade

reflexões em primeira pessoa

  • Diônvera Coelho da Silva Doutoranda em educação do Programa de pós-graduação da Universidade Federal de Pelotas (UFPel)
  • Livian Lino Netto Doutoranda em Educação pela Universidade Federal de Pelotas
  • Aline Accorssi UFPel
Palavras-chave: educação feminista; movimento de mulheres; mulheres pretas

Resumo

O presente trabalho, de caráter ensaístico, objetiva refletir sobre algumas contradições dos movimentos feministas branco a partir da perspectiva teórica de intelectuais afro-latinas-americanas e afro-estadunidenses. Começamos o texto com um manifesto em primeira pessoa e reivindicamos uma pesquisa que precisa ser escrita, feita e pensada para e, realizada, com as/os próprias/os protagonistas. Para isso, abordamos dois aspectos: o primeiro, de “opressão comum” que generaliza experiências de mulheres, problematizado especialmente por bell hooks (2015). O segundo, o conceito de interseccionalidade, desenvolvido por Kimberlé Crenshaw (1989) e revisitado por Patrícia Hill Collins (2019). Concluímos que, a partir da compreensão de que não se pode pensar em uma opressão comum em relação às experiências de mulheres, o conceito de interseccionalidade se torna importante para a reflexão. Os marcadores gênero, raça, classe e sexualidade, relacionados entre si, contribuem para que exista uma luta contra essas opressões e que o feminismo negro como teoria crítica, avance em direção à libertação de todas as mulheres e, consequentemente, de todas as pessoas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diônvera Coelho da Silva, Doutoranda em educação do Programa de pós-graduação da Universidade Federal de Pelotas (UFPel)

Bacharel em Agronomia e Mestra em Agronomia pela Universidade Federal de Pelotas (UFPEL); Doutoranda em educação do Programa de pós-graduação da Universidade Federal de Pelotas (UFPel); Graduanda em Psicologia na Universidade Federal do Rio Grande (FURG). E-mail: diionveracoelho@gmail.com

Livian Lino Netto, Doutoranda em Educação pela Universidade Federal de Pelotas
Licenciada e bacharel em ciências sociais pela universidade federal de pelotas; mestra em Educação pelo instituto federal Sul-rio-grandense e doutoranda em educação pela Universidade federal de pelotas
Aline Accorssi, UFPel

Psicóloga. Mestra em Psicologia Social e da Personalidade e Doutora em Psicologia pela PUCRS. Professora na Faculdade de Educação da Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Líder do “Grupo Mariposas: minorias sociais, resistências e práticas de transformação”.

Referências

AKOTIRENE, Carla. Interseccionalidade. São Paulo: Polém, 2019. 150 p.

ANZALDÚA, Gloria. Falando em línguas: uma carta para as mulheres escritoras do Terceiro Mundo. Tradução de Édina de Marco. Revista Estudos Feministas, v. 8, n. 1, p. 232, 2000. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/9880/9106. Acesso em: 21 ago. 2020.

CARDOSO, Cláudia Pons. Amefricanizando o feminismo: o pensamento de Lélia Gonzalez. Revista Estudos Feministas, v. 22, n. 3, p. 965-986, 2014. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-026X2014000300015

CARNEIRO, Sueli. Mulheres em movimento. Estudos avançados, v. 17, n. 49, p. 117-133, 2003. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142003000300008

COLLINS, Patrícia Hill. Pensamento feminista negro: conhecimento, consciência e a

política do empoderamento. São Paulo: Boitempo Editorial, 2019.

CRENSHAW, Kimberlé W. Demarginalizing the intersection of race and sex; a black feminist critique of discrimination doctrine, feminist theory and antiracist politics. University of Chicago Legal Forum, p. 139-167, 1989.

CRENSHAW, Kimberlé W. Documento para o Encontro de Especialistas em Aspectos da Discriminação Racial Relativos ao Gênero. Estudos Feministas (1). p. 177-188, 2002.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. São Paulo, Boitempo Editorial, 2016.

GONZALEZ, Lélia. A mulher negra na sociedade brasileira (uma abordagem político-econômica), in: Madel T. Luz: O Lugar da mulher: estudos sobre a condição feminina na sociedade atual. Rio de Janeiro: Edições Graal, 87-107, 1982.

hooks, bell. Mulheres negras: moldando a teoria feminista. Revista Brasileira de Ciência Política, n.16. Brasília, p. 193-210, 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0103-335220151608

hooks, bell. Erguer a voz: pensar como feminista, pensar como negra. Editora Elefante, 2019a.

hooks, bell. Não sou uma mulher: mulheres negras e feminismo. 1° ed. - Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2019b.

hooks, bell. Teoria Feminista: Da Margem Ao Centro. São Paulo: Perspectiva, 2019c.

LUGONES, María. Rumo a um feminismo descolonial. Revista Estudos Feministas, v. 22, n. 3, p. 935-952, 2014.

VELASCO, M. J. Construindo pontes: diálogos a partir do/com o feminismo negro. Revista Ártemis, v. 27, n. 1, p. 89-114, 2019. DOI: https://doi.org/10.22478/ufpb.1807-

Publicado
2021-01-28
Como Citar
Coelho da Silva, D., Lino Netto, L., & Accorssi, A. (2021). Da opressão comum à interseccionalidade: reflexões em primeira pessoa. Sul-Sul - Revista De Ciências Humanas E Sociais, 1(03), 41-56. Recuperado de https://revistas.ufob.edu.br/index.php/revistasul-sul/article/view/799