Racismo, trabalho doméstico e violência

a relação entre vida e ficção a partir do conto Maria de Conceição Evaristo

Autores

  • Bárbara Poli Uliano Shinhawa Instituto Federal do Paraná - IFPR
  • Josimar Priori Instituto Federal do Paraná
  • Rosangela Jovino Alves Universidade Estadual de Maringá

DOI:

https://doi.org/10.53282/sulsul.v2i01.840

Palavras-chave:

Literatura afro-brasileira, sociedade, racismo, trabalho doméstico, pandemia

Resumo

Este artigo analisa aspectos literários pós-coloniais e afro-brasileiros no conto Maria de Conceição Evaristo e propõe uma análise de questões como raça, racismo, trabalho doméstico e violência a partir do diálogo entre o texto literário e situações vivenciadas na contemporaneidade brasileira. Nesse sentido, com fundamento em uma interlocução literária e sociológica, é possível compreender que Maria é uma produção pós-colonial e os elementos do universo africano são parte de sua criação. Além disso, alicerçados na “vivência na escrita” proposta por Conceição Evaristo, é possível compreender que pautas como raça, trabalho doméstico e violência perpassam o conto, posto que a literatura é, em grande parte, expressão artística da vida. Tendo isso em vista, Maria é o ponto de partida para se refletir como essas pautas se tornaram ainda mais acentuadas devido à pandemia da Covid-19.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bárbara Poli Uliano Shinhawa, Instituto Federal do Paraná - IFPR

Doutora e Mestra em Letras pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Especialista em Ensino de Língua Inglesa pela ESAP/UNIVALE e graduada em Letras/Português-Inglês pela UNESPAR (FAFIPA) – Universidade Estadual do Paraná, campus Paranavaí. Docente no Instituto Federal do Paraná (IFPR) – Campus Paranavaí.
Membra do grupo de pesquisa Nuseintec e do Literaturas africanas e afro-brasileira: marnegro em Língua Portuguesa. Desenvolve pesquisas na área de Literatura (Literatura Brasileira, Africana e Afro-brasileira, Literatura Infantil), Estudos Culturais e Pós-coloniais. Orcid: 0000-0003-1301-9176. E-mail: barbara.poli@ifpr.edu.br

Josimar Priori, Instituto Federal do Paraná

Doutor em Sociologia pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), Mestre e graduado em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Maringá (UEM). Professor no Instituto Federal do Paraná – Campus Paranavaí. Desenvolve pesquisas nas áreas de política, movimentos sociais e população em situação de rua. Orcid: 0000-
0003-4853-3589. 

Rosangela Jovino Alves, Universidade Estadual de Maringá

Doutora e Mestra em Estudos Linguísticos pela Universidade Estadual de Maringá. Graduada em Letras Libras pelo Instituto Eficaz e graduada em Português/Inglês pela Universidade Estadual em Maringá. Atualmente é docente no Instituto Federal do Paraná – Campus Paranavaí e desenvolve pesquisas relacionadas ao Funcionalismo Linguístico. Orcid: 0000-0002-2512-8647.

Referências

ADOLFO, Sérgio Paulo. Prefácio. In: DIONÍSIO, Dejair. Ancestralidade Bantu na literatura afro-brasileira: reflexões sobre o romance Ponciá Vicêncio, de Conceição Evaristo. Belo Horizonte: Nandyala, 2013, p. 09-10.
ALMEIDA, Silvio. Racismo Estrutural. São Paulo: Sueli Carneiro; Editora Jandaíra, 2020.
BONNICI, Thomas. Teoria e crítica pós-colonialistas. In: BONNICI, Thomas; ZOLIN, Lúcia Osana (org.). Teoria literária: abordagens históricas e tendências contemporâneas. Maringá: Eduem, 2005, p. 223-239.

______. O pós-colonialismo e a literatura: estratégias de leitura. Maringá: Eduem, 2012.

BRITES, Jurema; PICANÇO, Felícia. O emprego doméstico no Brasil em números, tensões e contradições: alguns achados de pesquisas. Revista Latino-americana de Estudos do Trabalho, Ano 19, nº 31, 2014, 131-158.

BRITES, Jurema Gorski. Trabalho doméstico: questões, leituras e políticas. Cad. Pesqui., São Paulo , v. 43, n. 149, p. 422-451, ago. 2013 . Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-15742013000200004&lng=pt&nrm=iso>. acessos em 12 mar. 2021.

BRUNO, Maria Martha; MARTINS, Flávia Bozza. Segunda categoria mais beneficiada pelo Auxílio Emergencial, trabalho doméstico perde 1,5 milhão de postos de trabalho. Gênero e Número, 11 fev. 2021. Disponível em: <http://www.generonumero.media/domestica-auxilio-emergencial-emprego/>. Acesso em: 15 fev. 2021.

CANDIDO, Antonio. O direito à literatura. In: Vários Escritos. São Paulo: Duas Cidades, 2004, p. 169-191.

______. A literatura e a vida social. In: Literatura e sociedade. Rio de Janeiro: Ouro sobre o azul, 2006a, p. 27-49.

______. O escritor e o público. In: Literatura e sociedade. Rio de Janeiro: Ouro sobre o azul, 2006b, p. 83-98.

COUTINHO, Maria Chalfin. et al. História de uma trabalhadora doméstica. Athenea Digital: Revista de pensamiento e investigación social, Barcelona, vol 18, n° 02, julio 2018. Disponível em: <https://atheneadigital.net/article/view/v18-n2-coutinho-maders-westrupp-davila/1940-pdf-pt>. Acesso em 12 mar. 2021.
DAS, Veena; POOLE, Deborah. El estado y sus márgenes. Etnografías comparadas. Cuadernos de Antropología Social, Nº 27, pp. 19–52, 2008. Disponível: <https://www.redalyc.org/pdf/1809/180913917002.pdf>. Acesso em 12 mar. 2021.

DIEESE. Boletim Especial “Desigualdade entre negros e brancos se aprofunda durante a pandemia”, 10/11/2020. Disponível em: https://www.dieese.org.br/boletimespecial/2020/boletimEspecial03.html. Acesso em: 16 de jan. de 2021.

DIONÍSIO, Dejair. Ancestralidade Bantu na literatura afro-brasileira: reflexões sobre o romance Ponciá Vicêncio, de Conceição Evaristo. Belo Horizonte: Nandyala, 2013.
DOWBOR, Ladislau. A Era do Capital Improdutivo: Por que oito famílias tem mais riqueza do que a metade da população do mundo? São Paulo: Autonomia Literária, 2017.
DUARTE, Eduardo de Assis. Mulheres marcadas: literatura, gênero, etnicidade. Terra roxa e outras terras – Revista de Estudos Literários, Vol. 17-A, dez. 2009, p. 06-18. Disponível em: http://www.uel.br/pos/letras/terraroxa. Acesso em: 20 jan. 2021.
______. Por um conceito de literatura afro-brasileira. 2011. Disponível em:
http://www.letras.ufmg.br/literafro/artigos/artigos-teorico-conceituais/148-eduardo-de-assis-duarte-por-um-conceito-de-literatura-afro-brasileira. Acesso em: 22 dez.2020.

DUARTE, Eduardo de Assis. FIALHO, Elisângela Lopes.Conceição Evaristo: literatura e identidade. 2020. Disponível em: http://www.letras.ufmg.br/literafro/autoras/29-critica-de-autores-feminios/199-conceicao-evaristo-literatura-e-identidade-critica. Acesso em: 18 dez.2020.

EVARISTO, Maria da Conceição. Escrevivências da afro-brasilidade: história e memória. Releitura, Belo Horizonte, nº 23. Fundação Municipal de Cultura, nov. 2008, p. 01-17.

______. Literatura negra: uma poética de nossa afro-brasilidade. Scripta, Belo Horizonte, v. 13, n.25, p. 17-31, 2o sem. 2009a. Disponível em:
http://periodicos.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/4365/4510 Acesso em: 05 jan. 2021.

______. I Colóquio de Escritoras Mineiras. Belo Horizonte, Maio de 2009b. LITERAFRO. Disponível em: http://www.letras.ufmg.br/literafro/autoras/188-conceicao-evaristo Acesso em: 21 dez. 2020.

______. Depoimento da escritora Conceição Evaristo. In: V Colóquio Mulheres em Letras, Belo Horizonte: UFMG, 20 de abril de 2013. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=heHftI429U4 Acesso em 27 dez.2020.

_____. Maria. In: EVARISTO, Maria da Conceição. Olhos d’água. Rio de Janeiro: Pallas: Fundação Biblioteca Nacional, 2016, p. 39-42.
FERREIRA, Lola; SILVA, Vitória Régia da. 2020: o ano da pandemia e seu impacto nas mulheres, pessoas negras e LGBT+. Gênero e Número, 22 dez. 2020. Disponível em: <http://www.generonumero.media/retrospectiva-2020/>. 15 fev. 2021.
FOUCAULT, Michel. Em Defesa da Sociedade: Curso no Collège de France (1975-1976). São Paulo: Martins Fontes, 2005.

FREYRE, Gilberto. Casa-grande & Senzala: formação da família patriarcal sob o regime de economia patriarcal. São Paulo: Global, 2006.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios COVID19 (PNAD COVID19): Desocupação, renda, afastamentos, trabalho remoto e outros efeitos da pandemia no trabalho, 2020a. Disponível em: https://covid19.ibge.gov.br/pnad-covid/trabalho.php. Acesso em: 10 jan. 2021.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), 2020b. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/media/com_mediaibge/arquivos/ff2505b84b22bdcbcdbf134ea9069e28.pdf . Acesso em: 10 jan. 2021.

LITERAFRO. Conceição Evaristo. Disponível em: http://www.letras.ufmg.br/literafro/autoras/188-conceicao-evaristo Acesso em: 21 dez. 2020.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. In: Arte e Ensaios, Rio de Janeiro, n° 32, 2016, p.122-151. Disponível em: <https://revistas.ufrj.br/index.php/ae/article/view/8993/7169>. Acesso em: 8 jul. 2020.
MUNANGA, Kabengele. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: identidade nacional versus identidade negra. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.

SAMYN, Henrique Marques. As mortes de Maria: sobre um conto de Conceição Evaristo. Revista Terceira Margem, Rio de Janeiro, v. 24, n° 43, 2020. Disponível em: <https://revistas.ufrj.br/index.php/tm/article/view/31632/19187>. Acesso em: 12 mar. 2021.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Trad. Sandra Regina Goulart Almeida, Marcos Pereira Feitosa, André Pereira Feitosa. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

ULIANO, Bárbara Poli [Uliano] Shinkawa. A casa-grande de Freyre e suas implicações nas tendas de Amado. 2017 Tese (Doutorado em Letras) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2017.

WERNECK, Guilherme Loureiro, CARVALHO, Marília Sá. A pandemia de COVID-19 no Brasil: crônica de uma crise sanitária anunciada. Caderno de Saúde Pública. 2020. http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00068820

Downloads

Publicado

2021-05-25

Como Citar

Poli Uliano Shinhawa, B., Priori, J., & Jovino Alves, R. (2021). Racismo, trabalho doméstico e violência: a relação entre vida e ficção a partir do conto Maria de Conceição Evaristo. Sul-Sul - Revista De Ciências Humanas E Sociais, 2(01), 90–120. https://doi.org/10.53282/sulsul.v2i01.840